Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Junho 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Alcanena | Há 600 milhões no PRR para desenvolver respostas sociais – Renato Bento

Na sua 11ª edição, o Fórum de Recursos Sociais de Alcanena debateu os impactos da pandemia e os desafios colocados à rede social do concelho. Na sessão de abertura, o diretor da Segurança Social de Santarém, Renato Bento, deu conta que o novo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) tem previstos 600 milhões de euros para o desenvolvimento de todo o tipo de respostas sociais, prevendo assim um forte incremento nesta área nos próximos anos. 

- Publicidade -

Após um ano de interregno devido à crise sanitária, o Fórum de Recursos Sociais tornou a organizar-se, reunindo em debate as várias instituições que integram o Conselho Local de Ação Social (CLAS) de Alcanena. Na sessão de abertura, a presidente da Câmara, Fernanda Asseiceira, elogiou o trabalho de toda a equipa social em ano de pandemia, constatando que sem o seu esforço toda a situação teria sido ainda mais dramática. “As pessoas são o mais importante”, frisou a autarca.

Trabalho social de Fernanda Asseiceira no território foi elogiado durante a sessão Foto: mediotejo.net

- Publicidade -

Seguiu-se a intervenção de Renato Bento, salientando que “estamos numa fase de mudança de paradigmas”, devido à transição de competências na área da ação social para os municípios. Estas competências, adiantou, vão incidir sobretudo no serviço de acompanhamento social e no acompanhamento de famílias beneficiárias do Rendimento Social de Inserção.

“Cá estaremos para prestar apoio a este processo complexo”, garantiu, e que será transformador ao nível da intervenção social no país.

Renato Bento saudou também o trabalho desenvolvido pelos CLAS, redes criadas em 1997 que já na altura mudaram paradigmas de intervenção social. No novo cenário de descentralização da ação social, estas estruturas vão ver o seu papel reforçado nos territórios, constatou.

Alertou assim que o PRR tem previstos 600 milhões de euros para desenvolvimentos de respostas sociais, pelo que os próximos anos vão ser profícuos em políticas públicas a este nível.

Seguiu-se um debate sob o tema “Viver em Pandemia: consequências e aprendizagens ao nível pessoal e comunitário”, que contou com as intervenções de Rogério Roque Amado, docente do ISCTE – IUL, e Núria Duarte, Psicóloga Clínica.

Redes sociais locais estão demasiado burocratizadas, foi refletido Foto: mediotejo.net

Discutindo a tragédia da pandemia e o papel das redes sociais, Rogério Roque Amado acabaria por apontar os principais problemas que afetam as redes locais de ação social: excesso de municipalização, tendência a serem um instrumento de controlo partidário, tendência para caírem na rotina, a população e os empresários locais estão completamente ausentes destas estrutura, a visão do “social” é muito limitada. “Se tudo for ultrapassado, são redes de reforço da democracia”, refletiu. 

Já Núria Duarte refletiu um pouco sobre o impacto da pandemia na saúde psicológica, apontando o aumento de casos de ansiedade e depressão. No que toca às crianças há também um aumento de agressividade e dificuldade em regular emoções. 

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome