Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Setembro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Alcanena | Carta aberta reacende polémica sobre poluição ambiental

Foi enviada no dia 15 de novembro a várias entidades nacionais e locais, bem como a alguns órgãos de comunicação social, uma carta aberta sobre “Poluição Ambiental do Concelho de Alcanena”, subscrita por Jorge Batista, Ivo dos Santos e João Carlos Pinto, este último vereador eleito pelos Cidadãos por Alcanena. A presidente de Cãmara classifica a carta de “extemporânea” e, na sua opinião, “tem objetivos políticos”, além de representar um “ataque pessoal”.

- Publicidade -

No documento, os signatários solicitam que as entidades intercedam “no sentido de preservar o Concelho de Alcanena que exige que se cumpra a Constituição da República Portuguesa no seu direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado”.

A carta foi enviada para o Presidente da República, Primeiro Ministro, Agência Portuguesa do Ambiente, SEPNA, Agência Europeia do Ambiente, Câmara Municipal de Alcanena e QUERCUS, além de ser dado conhecimento a alguns órgãos de comunicação social.

- Publicidade -

O tema tem a ver com o problema dos maus cheiros, cujo episódio de outubro, considerado “grave”, suscitou protestos por parte da população e da comunidade estudantil.

Na reunião do Executivo do dia 2 de dezembro, a presidente da Câmara, Fernanda Asseiceira (PS) preferiu não comentar, informando apenas que vai dar a resposta aos signatários e às entidades para onde foi enviada a carta aberta.

À margem da reunião e aos jornalistas, Fernanda Asseiceira disse não compreender que se insista num problema que desde 15 de outubro está controlado, considerando por isso as acusações “injustas”.

Classifica a carta de “extemporânea” e, na sua opinião, “tem objetivos políticos”, além de representar um “ataque pessoal”.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome