Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Outubro 26, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Alcanena | Aprovado voto de protesto e repúdio aos crimes ambientais nos Olhos de Água

O município de Alcanena aprovou por unanimidade na reunião de câmara de 18 de dezembro, segunda-feira, um voto de protesto e repúdio aos crimes ambientais nos Olhos de Água, que causaram a contaminação da água da nascente e do rio Alviela. O texto defende que, caso necessário, se deve avançar para o encerramento de unidades poluidoras.

- Publicidade -

O documento inicia com uma breve descrição da nascente dos Olhos de Água, para de seguida referir que “desde o início do mês de dezembro, têm vindo a verificar-se descargas ilegais de esgotos e efluentes industriais não tratados, cuja proveniência ainda não foi possível determinar”. “Nas descargas verificadas no início do mês, a água surgiu completamente turva, com gordura à superfície, transformando a linha de água num mar de espuma, acompanhada de um cheiro insuportavelmente nauseabundo, com claras evidências de provir de lagares localizados a montante das nascentes”, descreve.

O município contactou o SEPNA da GNR “a fim de tomar conta da ocorrência, bem como, recolha de amostras da água contaminada”, tendo sido solicitada a fiscalização da APA – Agência Portuguesa do Ambiente, ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, a DRAP-LVT – Direção Regional da Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo e aos municípios de Santarém e Porto de Mós.

- Publicidade -

“Nos episódios mais recentes, verificados nos dias 15 e 16 do corrente mês de dezembro, a água encontrava-se totalmente coberta por espuma e alguns sobrenadantes e, completamente turva, de coloração escura, com cheiro intenso a efluentes resultantes da de lagares, tendo sido despoletado o mesmo procedimento referido anteriormente”, refere.

O texto avança que “face a tais acontecimentos, que indicam o não cumprimento das exigências no que respeita à qualidade e ao destino dos efluentes libertados, cabe-nos manifestar indignação, protesto e repúdio contra os factos referidos”. “Trata-se da contaminação massiva e voluntária de uma das principais fontes de vida, a água, para além de promover a aniquilação de toda a fauna e flora existente no leito e margens do rio Alviela, crimes ambientais graves, punidos civil e criminalmente pela legislação ambiental em vigor”, defende.

O município expõe que a poluição afeta todo o investimento realizado na nascente e nos percursos pedestres na envolvente, considerando em “risco todo o trabalho desenvolvido pela Câmara Municipal, na promoção do território, na aposta no Turismo de Natureza como fator de desenvolvimento e, sobretudo, na captação de investidores privados para o território”.

Exige-se assim uma reposta eficaz e rápida das entidades nacionais (APA, Inspeção-Geral do Ambiente, SEPNA e Ministério Público) “para uma monitorização da qualidade da água da Nascente e do rio Alviela e fiscalização das descargas poluentes, aplicando multas exemplares aos autores de descargas ilegais, e levando, se for caso disso, ao encerramento das unidades incumpridoras”.

O voto de protesto e repúdio foi aprovado por unanimidade e será enviado ao IGAMAOT – Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, à APA, ICNF, DRAP-LVT, SEPNA, Ministério Público, municípios de Santarém e de Porto de Mós e aos lagares existentes na área do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome