Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Julho 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Alcanena: Apoios às festas populares vão ser atribuidos por relevância

Apoiar ou não apoiar? A reunião de câmara de Alcanena de 20 de junho, segunda-feira, agitou-se com a discussão em torno dos critérios de apoio às diferentes festas de cariz popular do concelho. Nem todas pedem apoio e há diferentes valores de comparticipação. O vereador Artur Rodrigues (ICA) defendeu a equidade da distribuição e a divulgação da existência destes apoios, mas a presidente da Câmara, Fernanda Asseiceira, comentou que não se justifica apoiar todas as Festas. O tema tem vindo a ser debatido com as juntas de freguesia.

“É claro que nem todas as Festas têm o mesmo tipo de relevância”, salientou Fernanda Asseiceira. A polémica em torno de se apoiar ou não festas populares reuniu presidentes de junta, tendo-se decidido pelo apoio mediante uma lista das festas mais importantes e identitárias das localidades. Serão depois divididas por escalões de financiamento, consoante a sua relevância, até um tecto máximo de 500 euros. “Não há dúvidas que a festa de São Pedro em Alcanena será do escalão dos 500 euros”, comentou a presidente, dada a relevância da festa para a vila.

A explicação não convenceu Artur Rodrigues, que questionou a justiça do método e quais os critérios para determinar a dita relevância dos eventos e o seu escalonamento. A discussão alongou-se, com a presidente a admitir que lhe era difícil estar a definir critérios objetivos para definir financiamento. O festejo ao santo padroeiro da terra em causa pode constituir uma mais valia, mas vai apostar-se na importância cultural e histórica do evento para a terra.

A discussão terminaria com Artur Rodrigues a apelar à importância de se definirem critérios de apoio e divulgar a existência deste subsídio por todo o concelho.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here