Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Águas do Ribatejo investe mais de 21 milhões de euros nos próximos três anos

De acordo com o Plano Plurianual de Investimentos da empresa Águas do Ribatejo (AR) para os próximos três anos (2019, 2020 e 2021), estão previstas obras que ascendem a cerca de 21,3 milhões de euros, sendo que para a sua execução estão assegurados cerca de 7,9 milhões de euros de financiamento comunitário a fundo perdido.

- Publicidade -

A informação consta do texto que enquadra a proposta de atualização tarifária para 2019 desta empresa pública responsável pelo fornecimento de água e tratamento de esgotos nos Municípios de Almeirim, Alpiarça, Benavente, Chamusca, Coruche, Salvaterra de Magos e Torres Novas.

A Águas do Ribatejo prevê que o esforço de investimento em infraestruturas “modernas e eficientes”, quer no abastecimento de água, quer no saneamento deverá atingir, no final do ano de 2018, um valor acumulado na ordem dos 130 milhões de euros.

- Publicidade -

No entanto, a empresa reconhece que “não obstante tudo o que já foi feito, muito há ainda por fazer, tanto no abastecimento de água, em particular no tratamento e renovação de redes, como no saneamento, em especial na construção de novas ETAR e redes”.

Para os próximos três anos, no que se refere às intervenções previstas na área do abastecimento de água destacam-se, entre outras, as remodelações das Estação de Tratamento de Água (ETA) de Almeirim e de Alpiarça, a construção da nova ETA de Fazendas de Almeirim, as reabilitações dos Reservatórios do Mirante (Chamusca), de Muge e de Salvaterra de Magos (elevado), a ampliação do Reservatório do Cerejal (Torres Novas), a construção de várias novas captações e ainda a renovação de redes em diversos subsistemas: Vale Tripeiro, Santo Estêvão, Chamusca, Carregueira, Coruche, Marinhais e Riachos.

Em relação ao saneamento, as intervenções previstas para o próximo triénio são: remodelação das ETAR de Benfica do Ribatejo, Cerrado das Águas, Arripiado, Couço, Muge, Foros de Salvaterra, Glória do Ribatejo, Marinhais, Salvaterra de Magos, construção da nova ETAR da Malhada Alta, Lamarosa (Torres Novas), construção / renovação de diversas EE e redes (Vale Tripeiro, Carregueira / Pinheiro Grande, Vale de Cavalos, Coruche, Marinhais, Foros de Salvaterra, Torres Novas, Riachos);

Apesar de estar garantido o financiamento comunitário, a AR sublinha que “o esforço de investimento que a empresa terá de suportar, quer com recursos próprios, quer com financiamento bancário, rondará os 13,4 milhões de euros”.

Este valor “tem, necessariamente, de ser acompanhado por um reforço da capacidade económico-financeira da empresa, sob pena de se colocar em causa os objetivos fixados”

Desta forma a AR justifica a necessidade de atualização do tarifário para 2019, lembrando que desde 2014 as tarifas do abastecimento de água não foram objeto de qualquer atualização real, apesar do aumento “exponencial” dos custos com o serviço sobretudo quanto ao tratamento de água.

No caso do saneamento, e pese embora as atualizações efetuadas ao longo dos últimos anos, as receitas provenientes das tarifas são insuficientes para cobrir os respetivos custos, garante a AR.

“Para dar resposta às (grandes) exigências que estão aí, é necessário agir em conformidade e procurar, na medida do possível, efetuar as escolhas mais equilibradas, que permitam manter um nível tarifário compatível com a realidade socioeconómica da região”, argumenta-se.

Com o novo tarifário “é possível assegurar os meios necessários para continuar a dar resposta às exigências, cada vez maiores, dos serviços públicos de abastecimento de água e de saneamento, criando as bases (sólidas) para uma trajetória que se pretende sustentável e equilibrada, mantendo simultaneamente um nível tarifário condizente com o rendimento das famílias”, conclui o documento da AR.

 

 

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome