Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Adeus Ti João dos Gelados

Morreu na quinta-feira, 1 de Outubro, uma das figuras mais carismáticas de Ferreira do Zêzere: João Roberto ou, melhor, o Ti João dos Gelados ou das Castanhas. Tinha 87 anos e encontrava-se gravemente doente há alguns meses.

- Publicidade -

Além de vendedor de gelados e de castanhas, o Ti João era também poeta popular, com um livro publicado de sua autoria, “Histórias que refrescam a alma e aquecem o coração”. Esta obra encontra-se à venda no posto de turismo de Ferreira do Zêzere e retrata em versos o percurso da sua vida e da arte de fazer gelados.

João Roberto começou a vender gelados em 1954. Trabalhava nas obras em Lisboa quando decidiu começar o pequeno negócio para ganhar um dinheiro extra. A ideia surgiu-lhe no dia em que viu um indivíduo a vender gelados junto ao aeroporto. Começou a fazê-lo numa bicicleta mas, em 1960, comprou uma motorizada que adaptou ao seu ofício. Sorvete de baunilha, chocolate e morango eram feitos a partir de uma receita caseira “secreta” e vendidos a 50 cêntimos.

- Publicidade -

O presidente da Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere, Jacinto Lopes, recorda que o “Ti João dos Gelados” também era o “Ti João das Castanhas”, bem quentinhas nos dias frios. “Era uma figura muito carismática, tinha um coração de ouro e perto dele nunca ninguém estava triste. Uma figura querida que nos vai deixar muitas saudades”, disse em declarações ao mediotejo.net.

O autarca recorda a personalidade altruísta de João Roberto, que representou o concelho de Ferreira do Zêzere em diversas ocasiões ou através de participações televisivas. “Recordo-me de, em criança, ir ao Ti João comprar um gelado com outros amigos. Mesmo sem dinheiro, ninguém ficava sem gelado”, lembra Jacinto Lopes.
O funeral de João Roberto tem lugar no sábado, 3 de Outubro, na Igreja de Águas Belas. A autarquia, acrescenta Jacinto Lopes, está a pensar num modo de perpetuar a sua memória para que este adeus não seja para sempre.

Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome