Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Domingo, Novembro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Utentes da Saúde entregam caderno reivindicativo a secretário de Estado

Aproveitando a presença do secretário de Estado da Saúde em Abrantes, a Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo (CUSMT), entregou um caderno reivindicativo e com propostas de atuação ao governante sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS), versando a problemática da vacinação, dos recursos humanos, dos cuidados de saúde primários/centros de saúde e hospitalares, e serviços farmacêuticos, entre outros.

- Publicidade -

- Publicidade -

O documento, entregue por Luís Alves, da CUSMT, a Diogo Serras Lopes, começa por considerar o SNS “o mais valioso e importante serviço público português”, e que “a maioria dos seus trabalhadores e dirigentes foram inexcedíveis com o seu saber, espírito de sacrifício e motivação no combate à pandemia da covid-19”, tendo feito notar, no entanto, que há “ainda um longo caminho a percorrer”, tendo apontado “serviços que não estão consolidados e outros, até, que ou não são prestados ou não correspondem às necessidades das populações”.

No documento, a CUMST afirma que “não foge às suas responsabilidades para com a população” e que, nesse sentido, salientando a “necessidade do reforço do SNS e a defesa de cuidados de saúde de qualidade e proximidade”, tendo apresentado as suas propostas ao governante, num documento entregue em mãos a Diogo Serras Lopes que o folheou e guardou.

- Publicidade -

Utentes da Saúde entregaram caderno reivindicativo a secretário de Estado. Foto: mediotejo.net

O documento versa vários temas e propostas, que aqui transcrevemos:

PANDEMIA COVID-19 e VACINAÇÃO

“A pandemia está, principalmente a nível mundial, longe de estar controlada. Em Portugal e no Médio Tejo, os dados indicam-nos melhorias quer no número de infectados quer no número de óbitos. Para tal contribuiu a adopção de medidas de prevenção (algumas impostas) e também a vacinação que, ao sabor das vacinas disponíveis vai cumprindo objectivos. Mas as novas variantes que vão aparecendo e abrandar de alguns procedimentos de segurança sanitária poderão levar a fenómenos de recrudescimento, pelo menos localizados, da COVID-19. Agora, é fundamental continuar as medidas de prevenção e que se dê atenção às sequelas de quem já teve a doença.

SAÚDE PÚBLICA

Os níveis de saúde das populações é tanto maior quanto mais eficazes forem as acções de prevenção e a adopção de boas práticas de vida, nomeadamente pelo exercício físico, a alimentação, a recusa de dependências, a segurança rodoviária, o conforto térmico… As vantagens não são só para o bem-estar das pessoas, mas tem ganhos materiais e financeiros para o SNS. Urge, portanto, dotar os serviços de saúde pública de meios materiais e humanos para que cumpram a sua missão.

CUIDADOS PRIMÁRIOS/CENTROS DE SAÚDE

Defendemos serviços de proximidade e qualidade. Para além dos indispensáveis recursos humanos, defendemos: a reabertura das Extensões encerradas ou sem funcionamento; a aquisição de Unidades Móveis de Saúde; a instalação e funcionamento dos prometidos Consultórios de dentista; mais Unidades de Cuidados à Comunidade; extensão de horários em pelo menos uma Unidade de Saúde por concelho; nova Sede do ACES MÉDIO TEJO, por exiguidade das actuais instalações, em Riachos; redução drástica do tempo que medeia a apresentação de projectos de instalações (novas ou requalificações) e equipamentos e a sua utilização por profissionais e utentes; adopção de regras de funcionamento similares para UCSP e USF; recuperar progressivamente o acompanhamento de todas as patologias não-covid e incentivar os rastreios e o Plano Nacional de Vacinação; internalização progressiva dos MCDT;…

CUIDADOS HOSPITALARES

As urgências hospitalares são o fim da linha para muitos problemas de saúde e até sociais. No Médio Tejo defendemos a integração e divisão equilibrada, no CHMT, dos diversos serviços espalhados pelas 3 unidades hospitalares (Abrantes, Tomar e Torres Novas): A Urgência médico-cirúrgica deve ser atribuída ao CHMT e a administração ter a possibilidade de a gerir conforme os meios e as necessidades; A porta de entrada, deve ser a porta de saída; Extensão da Urgência Pediátrica às unidades de Abrantes e Tomar; Implantação de uma Urgência Básica em Ourém; Devem ser concretizadas, o mais depressa possível, as obras de requalificação da Urgência de Abrantes; Implantação de uma unidade de hemodinâmica; Apoio à actividade da hospitalização domiciliária; Aquisição e manutenção de equipamentos e instalações (p.e. meios poupança energia, pintura de instalações,…); Reforço da idoneidade formativa; Recuperação das listas de espera de consulta e cirurgia; Apoio ao internamento em Medicina Física e Reabilitação e à criação de uma equipa multidisciplinar para atender às sequelas da Covid-19;…

SERVIÇOS FARMACÊUTICOS

Os meios rurais não podem nem devem ficar sem serviços de medicamentos (farmácias), pelo que estamos contra a deslocação sistemática de farmácias para as zonas urbanas. Fruto das dificuldades financeiras, em fase de agravamento, defendemos que sejam reforçados mecanismos de apoio à aquisição de medicamentos em meio rural.

NOTAS FINAIS

Deverá existir um esforço contínuo de Humanização dos cuidados de saúde e de comunicação/articulação entre os profissionais de saúde, e de estes com os utentes e familiares.

Muito do êxito futuro do SNS vai depender do aprofundamento do trabalho em rede (saúde pública; centros saúde; hospitais; cuidados continuados – que têm grande défice de camas; entidades sociais; serviços de transporte de doentes e sinistrados; autarquias; instituições sociais).

O reforço dos Recursos Humanos, sempre poucos para as necessidades, só pode ser atingido com vários meios: reforço do internato médico e da idoneidade formativa; criação de condições para atrair mais profissionais (valorização profissional e salarial; melhorias de equipamentos e instalações; telemedicina e digitalização; objectivos de gestão coerentes com a valorização das carreiras; incentivos à fixação;…)   

O funcionamento dos órgãos institucionais das unidades de saúde, nomeadamente os órgãos consultivos, é essencial para o envolvimento da comunidade (autarquias, escolas, utentes, IPSS, profissionais) no acompanhamento e na definição de metas a atingir.

A saúde tem de ser a medida para avaliar do progresso e bem-estar de uma comunidade. Como afirmamos há muito, a saúde é o bem mais importante do ser humano.

Certos de que as nossas propostas merecerão eco por parte do Ministério da Saúde, apresentamos os nossos melhores cumprimentos.

A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo”

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome