Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Setembro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Trabalhadores dos CTT põem fim à greve que durava há um mês

Empresa compromete-se a reforçar recursos no Centro de Distribuição de Abrantes, que tem a seu cargo também os concelhos de Gavião, Constância e Sardoal, e onde há quase milhares de cartas e encomendas acumuladas à espera de serem entregues.

Os trabalhadores do Centro de Distribuição dos CTT em Abrantes anunciaram hoje que suspenderam a greve parcial (de 2 horas por dia) que durava há mais de um mês, e que decorria já de manifestações e paralisações anteriores. 

- Publicidade -

“Depois da reunião entre Administração CTT e sindicato (SNTCT) no dia 9 do corrente mês, chegaram a bom porto as negociações e os Trabalhadores deste CDP suspenderam a greve parcial”, informam em comunicado. 

“Ocupação de todos os postos de trabalho, bem como substituição de todos os trabalhadores em férias para melhor poderem servir as populações, foi o compromisso assumido pela empresa CTT”, adiantam, dizendo esperar que “a situação caótica que se vive neste momento com milhares de objetos por entregar”, possa “estar resolvida brevemente”. 

- Publicidade -

Abrantes, Gavião, Constância e Sardoal “podem respirar de alívio”, dizem os trabalhadores dos CTT, considerando que “foi pela luta e determinação dos carteiros deste Centro de Distribuição Postal de Abrantes que foi reposta a razão”. 

A empresa, dizem, “foi obrigada a reconhecer que as populações servidas por este Centro de Distribuição Postal não podem continuar a ser prejudicadas com a má qualidade de serviço que os CTT estão a prestar. Esta era a principal reivindicação destes trabalhadores”.

O comunicado termina dizendo que “sempre que for necessário, as populações poderão contar com os carteiros de Abrantes em defesa de um serviço público e de qualidade”.

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome