Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes/TagusValley | Pimento Agridoce vence 1ª edição do Food Fab Lab

A primeira edição do Prémio Food Fab Lab, dinamizado pelo TagusValley – Parque Tecnológico do Vale do Tejo -, instalado em Abrantes, atribuiu galardões a quatro produtos alimentares concorrentes.

- Publicidade -

O prémio ‘Food Fab Lab’ foi atribuído ao Pimento Agridoce nº5. Enquanto o Vinagre de Dióspiro n.º 8 foi distinguido na categoria ‘Inovação’, o Caco de Fátima nº 1 na categoria ‘Potencial de Mercado’, e o Arroz Doce nº 5 premiado na categoria ‘Degustação’.

Paula Val, residente em Abrantes, é a autora do Pimento Agridoce. “Há muito tempo que faço doces” referiu ao mediotejo.net, acrescentando que o premiado “é ideal como entrada”. Sugere que seja acompanhado de “queijo de cabra ligeiramente aquecido. Acompanha bem carne grelhada ou salgados. Não é um doce para comer com tostas e tem a textura de um chutney” explicou.

- Publicidade -

O júri durante a decisão no TagusValley. Foto: Tagusvalley

Esta é uma experiência “com dois anos”, mas tem outras como o doce de chuchu ou os pickles de couve roxa. Paula vai procurando ideias, testas-as e depois dá a provar a familiares e amigos para perceber da aceitação. “As prendas de Natal, geralmente, sou eu quem as faz, e o doce de pimento teve sempre boa aceitação por quem o provou”. Por isso, decidiu concorrer. O Pimento Agridoce é então confecionado com “pimento vermelho, açúcar e maçã” e outros ingredientes mais secretos, revela.

Os promotores destes produtos premiados recebem 2800 euros, no caso do Prémio Food Fab Lab e 1500 euros cada no caso dos restantes prémios, em serviços para acesso à utilização do Food Fab Lab, espaço pré-licenciado de uso partilhado para a produção de produtos alimentares, apoio técnico nas áreas do licenciamento, rotulagem, obrigações legais, processo produtivo, uma análise sensorial de aceitação, uma análise sensorial de preferência e acompanhamento no desenvolvimento do modelo de negócio.

Bastante entusiasmada com o “reconhecimento” chegado com o prémio dinamizado pelo TagusValley, Paula considera “um bom incentivo” para o que “poderá ser o primeiro passo para a comercialização”. A ideia é “conseguir produtores da região” no sentido de assim licenciar o produto. A reunião para acertar os detalhes do procedimento e utilização do Food Fad Lab decorrente do prémio, acontece na próxima semana.

Esta primeira edição contou com 11 inscrições, dez da região centro e uma do Brasil, tendo sido admitidas a concurso 8 produtos alimentares de onde, foram selecionados os premiados.

O júri da primeira edição do Prémio Food Fab Lab foi constituído por Carlos Bernardo do Blog “O Meu Escritório é lá fora!”, Teresa Mariano da Associação Portuguesa de Nutrição, Helena Mira da Escola Superior Agrária de Santarém e Teresa Batista da Confraria Enófila Nossa Senhora do Tejo e reuniu nas instalações do Centro de Transferência de Tecnologia Alimentar (INOV’LINEA).

Frascos do premiado Pimento Agridoce. Foto: Paula Val

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome