Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Setembro 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | SMA lançam mascote e campanha de incentivo para sustentabilidade ambiental

Os Serviços Municipalizados de Abrantes (SMA), no âmbito do Dia Mundial da Água, lançaram na segunda-feira, 22 de março, uma campanha de incentivo para a sustentabilidade ambiental que assenta na sua nova mascote: o SMART. A campanha estará ativa por todo o concelho de Abrantes para apelar aos comportamentos ambientalmente responsáveis, através da mensagem: ‘Para ajudar o planeta, todas as mãos contam’.

- Publicidade -

Pensado para ser um representante do consumo inteligente de recursos, o SMART tem como missão “proteger o nosso planeta, com as suas próprias mãos. Por isso conta com a ajuda de todos nós”, expressa a campanha.

Por isso conta com duas mãos (e dois braços) muito especiais; o azul representa a água e o verde os resíduos. “Juntas trabalham para um bem comum: proteger o meio ambiente, porque, para ajudar o planeta, todas as mãos contam”, sublinha a campanha ambiental.

- Publicidade -

Gestos simples como reciclar, colocar as embalagens nos ecopontos corretos, evitar o desperdício de água ou fechar a torneira sempre que não for necessária, são a ajuda de que o SMART precisa para salvar o planeta.

O presidente Manuel Valamatos durante a apresentação da campanha dos SMA. Créditos: mediotejo.net

Neste Dia Mundial da Água “era crítico iniciarmos um apelo mais forte às pessoas para a manutenção do nosso grande património natural, azul e verde, que temos nestes mais de 700 km quadrados” de território abrantino, notou o presidente da Câmara Municipal e dos SMA.

Numa apresentação que teve lugar no edifício dos SMA, em Abrantes, Manuel Jorge Valamatos começou por lembrar que em anos passados “estávamos em Cabeça Gorda na Estação de Tratamento de Água (ETA) onde é o coração dos Serviços Municipalizados em Abrantes” onde é captada a água na Albufeira de Castelo de Bode, bem como tratada e encaminhada para chegar a todo o concelho, sendo essa uma “ambição” do executivo municipal a breve prazo.

“Estávamos com os nosso jovens a mostrar como a água aparece nas torneiras. Como não é possível, entendemos que era o dia certo para lançarmos esta campanha de incentivo à sustentabilidade ambiental”, afirmou.

A mascote SMART “dá vida a todas as mensagens que queremos transmitir e que sejam vividas todos os dias pelos nossos munícipes, dos 8 aos 80 anos, na proteção deste nosso fantástico meio-ambiente”, acrescentou o autarca.

Segundo Manuel Jorge Valamatos, a imagem hoje apresentada foi criada com o propósito de “despertar a atenção dos mais novos porque são um elemento fundamental para as questões da sustentabilidade, na medida que são eles também que obrigam os mais velhos a pensar sobre estas matérias”.

Barragem dos Negrelinhos, Mouriscas. Créditos: CMA

O presidente indicou duas questões essenciais: “o uso eficiente da água e a forma como tratamos os resíduos sólidos” disse lembrando que os SMA trabalham uma candidatura a fundos comunitários no âmbito da recolha dos orgânicos “para a introdução dos contentores dos bio-resíduos” com o objetivo de “uma gestão dos resíduos sólidos mais organizada, para que possamos ter os contentores do lixo mais organizados”.

Além disso, assegurou “estamos neste momento a reforçar as equipas de recolha dos ‘monos’, para que as pessoas não deitem para dentro dos contentores tudo o que é lixo e possam selecionar nos ecopontos, ou através dos SMS ou das juntas de freguesia”.

O SMART ganhará então vida no terreno através de outdoors, mupis, flyers e outros suportes presentes nas diferentes freguesias do concelho, para apelar aos comportamentos ambientalmente responsáveis. Igualmente, nos meios de comunicação social locais e nos canais digitais dos SMA e da Câmara Municipal de Abrantes (CMA).

Serviços Municipalizados de Abrantes. Créditos: mediotejo.net

Manuel Jorge Valamatos avançou que a campanha “com várias ações decorrerá ao longo dos próximos meses. Em função da situação de pandemia iremos estruturar as ações que estão pensadas, mas queremos fundamentalmente desenvolver nas nossas escolas ações de campanha capazes de atrair a atenção dos nossos jovens para estas matérias”.

A campanha e mascote agora lançadas são a base para uma série de iniciativas de incentivo para a sustentabilidade ambiental que os SMA e a CMA pretendem realizar não só em 2021, mas também nos próximos anos junto da comunidade local e nacional.

Quanto aos contentores (de cor castanha) para receberem os resíduos biodegradáveis a “mais valia” passa por “não sobrecarregarmos os contentores normais e por outro lado conseguirmos aproveitar esse resíduos. No fundo, reciclar a tonelagem que todos os dias entram nos contentores”, explicou, lembrando a tarifa “cara” dos resíduos sólidos urbanos.

“Do ponto de vista financeiro temos de tentar dar a maior sustentabilidade e com os menores custos possíveis para os nossos cidadãos”, afirmou.

Numa primeira fase esses contentores castanhos serão colocados na cidade e em duas das 13 freguesias do concelho, disse, sem avançar quais, garantindo que a ideia é expandir por todo o concelho. Ou seja, propondo uma gestão sustentável e circular valorizando os bio-resíduos que compreendem os resíduos alimentares e os resíduos verdes (biodegradáveis domésticos e também de jardins ou hortas).

“Tudo o que não é orgânico entrará dentro do contentor normal”, disse, reforçando a importância da ação seletiva dos cidadãos. “O vidro, o plástico e o papel importa que entre dentro dos ecopontos. Esta campanha tem também essa função específica de continuar a alertar que os contentores não devem ter madeiras, bicicletas velhas, laranjas, estas últimas devem ser colocadas dentro dos reservatórios específicos”. Até que cheguem, o presidente sugere que sejam, por exemplo, “enterradas”.

A objetivo passa também por “reforçar” a compostagem, explica Valamatos, dizendo que “muitos abrantinos já fazem, felizmente!”. Lembra que nas zonas rurais a compostagem era um procedimento “habitual” no passado. “Importa voltar a fazer! Vamos tentar dinamizar os pequenos centros de compostagem em cada uma das habitações das pessoas sobretudo em zonas menos urbanas, mas queremos que as pessoas percebam que o lixo tem de ser bem selecionado”, frisou.

Os contentores castanhos deverão ser colocados junto aos contentores normais e em algumas zonas junto aos ecopontos. Os SMA junto com a Valnor trabalham atualmente na estrutura de tratamento desses bio-resíduos.

SMA lançam campanha de incentivo para a sustentabilidade ambiental. Créditos: mediotejo.net

No Dia Mundial da Água, Manuel Jorge Valamatos falou ainda no processo e abastecimento de água ao Sul concelho. Atualmente a água da Albufeira de Castelo de Bode chega à margem Sul através do açude em Abrantes, chegando a Tramagal, a São Miguel do Rio Torto, ao Rossio a Sul do Tejo , ao Pego, a Alvega e Concavada.

“Estamos a trabalhar neste momento para conseguir levar a água para Barrada, São Facundo, Vale das Mós e Bemposta. Vamos manter as estruturas existentes em funcionamento porque temos boas captações, alguns furos e drenos capazes para dar uma boa resposta na qualidade da água”, disse, admitindo que neste momento os habitantes de Alvega, por exemplo, “não bebem água de Castelo de Bode, mas podem beber se preciso for. Num futuro muito próximo a água de Castelo de Bode entrará dentro das torneiras em todo o Sul do concelho”, assegurou.

Ou seja, “não tínhamos aquilo que temos hoje; temos muito mais água e muito mais qualidade de água e temos a garantia que se os pequenos sistemas a sul falharem temos uma alternativa em segurança”.

Mouriscas fica, para já, fora dessa intervenção com o presidente a assegurar um projeto iniciado recentemente no sentido de conseguir levar a água a partir de Alvega “para que tenhamos uma solução ou uma alternativa à fonte de abastecimento que é a Barragem dos Negrelinhos”.

SMA lançam campanha de incentivo para a sustentabilidade ambiental. Créditos: mediotejo.net

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome