Abrantes | Secretária de Estado do Ambiente garante qualidade da água no rio Tejo

Vista sobre o Aquapolis Norte em Abrantes. Créditos: mediotejo.net

O presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos (PS), esteve reunido com a secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa, uma sessão de trabalho que durou “mais de duas horas” e onde foram abordados temas relacionados com o rio Tejo, nomeadamente com a qualidade e quantidade da água, mas também com o açude insuflável, a mini-hídrica, e a Praia Fluvial no Aquapolis Norte, um equipamento que a autarquia quer potenciar.

PUB

“Temos vindo a perceber que pontualmente existem situações que nos deixam preocupados”, admitiu o presidente em declarações ao mediotejo.net dizendo, no entanto, que “nos últimos anos a qualidade da água melhorou de forma muito significativa”.

Para Manuel Jorge Valamatos, que falava à margem da reunião de executivo, o Ministério do Ambiente realizou “um trabalho fortíssimo” no combate à poluição referindo “a presença dos Guarda-Rios, técnicos que se preocupam com a qualidade da água” no Tejo.

PUB

Uma matéria que o autarca considera “central” para o atual executivo uma vez que o Tejo “desempenha um papel de grande importância para a nossa cidade e concelho e para a nossa região”.

Em cima da mesa na reunião, que decorreu na semana passada, estiveram assuntos relevantes para a comunidade abrantina designadamente o açude insuflável, a mini-hídrica, a referida qualidade da água ou a Praia Fluvial no Aquapolis Norte.

PUB

Manuel Jorge Valamatos garantiu que a Câmara tem acompanhado a reabilitação “deste grande ecossistema e da qualidade da água em concreto. Continuamos interessadíssimos em colocar a água do rio Tejo à disposição da nossa comunidade e de todos aqueles que nos visitam” disse falando “num trabalho de continuidade”.

Na reunião foram ainda discutidos outros assuntos, como os estragos provocados pela passagem da depressão Elsa em 2019 e a recuperação da linha de água da ribeira de Pucariça. “Aquela grande linha de água que vem desde Aldeia do Mato até Rio de Moinhos. Essa depressão criou muitos estragos”, recordou.

O presidente deu conta de ter sido realizado “um levantamento exaustivo de um milhão e meio de euros necessário para a reabilitação dessa zona. Estamos a falar de espaços que dizem respeito ao Município, de alguns equipamentos como pontes e diques” mas também da responsabilidade do Estado Central.

O autarca garantiu ter saído da reunião “com boas expectativas de futuro e iremos continuar a fazer o nosso trabalho, procurando que os Municípios vizinhos nos acompanhem nestas matérias”. Da parte do Estado Central, Manuel Jorge Valamatos espera “um conjunto de medidas que favoreçam esta vontade de reabilitar a ribeira de Pucariça”, nomeadamente com acesso a apoios financeiros.

“Estávamos expectantes qual era o modelo para essa intervenção nessa linha de água e mais dois ou três sítios que a depressão Elsa deixou fragilizados. Em conjunto com o Ministério do Ambiente procuraremos programas de apoio financeiro capazes de dar resposta a estas ações que carecem que aconteçam a todo o momento”, explicou.

Nesse encontro esteve ainda presente a coordenadora regional da Agência Portuguesa do Ambiente.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here