PUB

Abrantes | Rotary Club comemorou 36 anos presidido pela primeira vez por uma mulher

O Rotary Club de Abrantes comemorou o seu 36º aniversário, regressando ao hotel da cidade, agora Luna Hotel Turismo de Abrantes, local onde os rotários abrantinos reuniram constantemente ao longo dos anos e onde, aliás, se conheceram e reuniram. Joana de Faria Maia, atual presidente do RCA e a primeira mulher a assumir este cargo em 36 anos, mostrou-se satisfeita com este marco e com os feitos alcançados até aqui, nomeadamente pela dinâmica jovem do movimento rotário abrantino, com os clubes Rotaract e Interact. O evento integrou ainda sessão de emblemagem do 24º associado do RCA, Leal Neto.

PUB

Em declarações à comunicação social, Joana de Faria Maia, a primeira mulher a presidir o Rotary Club de Abrantes, mostrou-se entusiasmada com o facto de o movimento estar a concretizar 36 anos de existência na cidade. “É fantástico, porque não há muitas associações com este número de anos e com o movimento e a dinâmica que tem o Rotary Club de Abrantes, que é qualquer coisa…”, disse, fazendo notar que o clube atribuiu este ano “500 bolsas a alunos do secundário e ensino superior”, o que representa “um grande orgulho fazer parte do clube e de um clube que mexe tanto e trabalha tanto pela comunidade. É um grande dia para nós”, disse.

Com 24 associados contando com o recém-emblemado na sessão comemorativa do aniversário, companheiro Leal Neto, cujo padrinho foi Júlio Miguel. Os novos emblemados surgem por proposta de outros associados do clube rotário, uma vez que “alguém sugere porque conhece, faz essa sugestão ao clube, avaliamo-la e convidamos a pessoa, se tiver essa disponibilidade, entra. É simples, explicamos um pouco do movimento, para ver se a pessoa tem interesse”, explicou Joana Maia.

PUB

“Somos poucos, mas temos grandes laços de compromisso com a comunidade que não podem falhar. Portanto, somos poucos, e muitos de nós trabalham, perante uma parte que já está reformada”, mas ainda assim, “é um trabalho que se faz com gosto, com satisfação, e com motivo de orgulho. Temos muitos compromissos com a comunidade e somos poucos a sustentar”, disse a presidente do RCA.

Entre o programa de ação do RCA, respeitando os pilares-base do movimento, saúde e educação, surgem outros projetos e dinâmicas dentro de cada uma dessas áreas, dos quais Joana de Faria Maia destaca a formação em SBV disponibilizada aos jovens. “Tenho muito empenho em manter a formação em Suporte Básico de Vida”, recordando que foi dada formação apenas aos jovens do 10º ano, e acrescentando que “no próximo ano, queria dar ao 10º e 11º, e depois no ano seguinte ao 10º,11º e 12º, de modo a podermos dizer que todos os jovens têm essa formação aqui em Abrantes”.

Esta formação também foi executada na EPDRA, em Mouriscas, não se cingindo só à cidade o RCA, sendo que a intenção é abranger “lentamente” concelhos limítrofes como Sardoal e Mação.

“Esse é o projeto deste ano e tinha muito gosto em dar-lhe continuidade, e projetá-lo para futuro para não ficar só este ano nos jovens do 10º”, assumiu.

Cerca de 65 convidados juntaram-se essencialmente para festejar, mas também para “aproveitar a ocasião para emblemar/convidar o novo companheiro, colocando-se o pin do RCA e oferecer-lhe a prova quadra que contém os princípios por que se guia o movimento rotário”, contextualizou. O facto é que o hotel da cidade se reveste de especial importância para o RCA, e deste modo, esta terça-feira, foi palco de mais uma iniciativa dos rotários abrantinos na sua “segunda casa”.

“A grande maioria dos companheiros conheceu-se aqui, e as reuniões foram aqui. Só há cerca de 3 ou 4 anos é que estivemos fora, portanto é uma ante-estreia do hotel o que é uma grande honra para nós, e também voltar porque a vida de rotário está muito ligada a esta casa”, contou Joana F. Maia, afirmando que “superou as expectativas” ao abrir portas à realização do evento.

Fazendo ainda um balanço sobre a dinâmica jovem do movimento rotário, o Interact e o Rotaract, a presidente do RCA admitiu ficar “sempre surpreendida”. “Eles procuram-nos muito, sonham muito alto e às vezes é bom ter um adulto para ver do horizonte que se lançou o que é viável, mas tem-nos surpreendido com capacidade imensa de organização, eles fizeram uma Conferência Distrital, um seminário de 3 dias, em que receberam cerca de uma centena de jovens aqui na cidade, e correu com sucesso, sem nenhum percalço, e portanto é um grande motivo de orgulho para nós, pois fizeram-no sozinhos, nós auxiliámos, mas o projeto foi deles e a atividade deles”, contou.

Joana de Faria Maia, notária de profissão, foi a primeira mulher a presidir o RCA. Prestes a terminar o seu mandato, fez um balanço sobre este último ano num mundo que tem sido virado essencialmente para o sexo masculino. “Não tive grande dificuldade, eu também cresci num mundo masculino, já tinha reunido e já estava há 3 anos no clube, acho que é mais um teste a nós mesmos, à nossa capacidade de organização e de liderança, e menos com o género das pessoas que nos apoiam e suportam nos nossos projetos. É verdadeiramente uma honra ter sido a primeira, mas não senti diferença, pelo facto de não haver mais mulheres, além da professora Hália, do sexo feminino”, confessou.

Joana Maia adiantou que termina o mandato a 3 de julho, momento em que passará o testemunho a Paulo Sousa, que será o próximo presidente do RCA.

 

 

 

 

 

PUB
PUB
Joana Rita Santos
Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres: o conhecimento e o saber, a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).