Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Julho 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | PSP reforça patrulhas no centro da cidade após onda de furtos

Na sequência dos furtos que se sucederam nos últimos tempos no centro histórico de Abrantes, a PSP já reforçou em dobro o corpo de patrulhas no centro da cidade, com elementos da Divisão de Tomar. O Comandante da Esquadra da PSP de Abrantes, Daniel Marques, disse ao mediotejo.net que “em todas as situações temos os suspeitos perfeitamente identificados” e que os casos foram encaminhados para o Tribunal de Família e Menores, por se tratarem de menores de idade.  “Não podem ser detidos nestes casos, e então limitamo-nos a fazer a apreensão dos bens que foram furtados “, referiu o responsável.

- Publicidade -

O tema tem gerado discussão pública e levantado receios por parte da comunidade em geral e dos proprietários de estabelecimentos comerciais do centro histórico da cidade. As manifestações nas redes sociais passaram a intervenções públicas, sendo que na última sessão de Assembleia Municipal, António Castelbranco, candidato à CM Abrantes pelo PSD, expôs o tema da insegurança e da criminalidade em Abrantes, como o mediotejo.net havia noticiado.

Desta feita, na última terça-feira, em reunião de executivo camarário, a vereadora do PSD, Elza Vitório, questionou o vice-presidente João Caseiro Gomes (que presidia à sessão na ausência da autarca Maria do Céu Albuquerque) sobre eventual carência de efetivos policiais no corpo da Esquadra da PSP de Abrantes. A vereadora afirmou que o PSD tem conhecimento de que a Polícia “não coloca os elementos necessários no centro histórico porque não os tem”, apontando ainda a falta de viaturas para o patrulhamento.

- Publicidade -

Caseiro Gomes informou que a presidente da CM Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, esteve reunida no início da semana com o Comandante da Esquadra da PSP de Abrantes, Daniel Marques, para fazer um ponto de situação e “saber o que se estava a passar, e termos essa informação, que é uma preocupação nossa”. A autarquia quer “evitar que se volte a repetir” este tipo de atos “de vandalismo”.

Contactado pelo mediotejo.net e confrontado com as declarações da parte da bancada social democrata, o Comandante Daniel Marques referiu que “não corresponde, de todo, à realidade”.

“Neste momento, nos períodos noturnos, dobrámos o número de efetivos no interior da cidade, para efetuarem o patrulhamento. Não corresponde, de todo, à realidade. [sobre as declarações da vereadora do PSD] No mês de outubro, a PSP de Abrantes viu reforçado o seu efetivo com elementos vindos da Divisão Policial de Tomar, portanto os meios são suficientes e em quantidades necessárias para ter nestes fenómenos criminais”, afirmou, fazendo notar que “ainda que se verificasse essa insuficiência de meios, a PSP enquanto organização e enquanto instituição tem capacidade de colmatar essas falhas”.

“Se necessário fosse, seríamos sempre reforçados com meios vindos da Divisão Policial de Tomar ou, no limite, do Comando Distrital de Santarém. Para já, ainda não se verificou essa necessidade, uma vez que os meios que temos, são os necessários”.

Foto: mediotejo.net
A PSP de Abrantes dobrou o nº de efetivos para patrulhamento no centro da cidade depois dos últimos casos de furto e vandalismo de estabelecimentos comerciais. Foto: mediotejo.net

Em entrevista ao mediotejo.net, Daniel Marques, Comandante da PSP de Abrantes, confirmou que nas últimas semanas se contabilizaram 5 furtos, levados a cabo por jovens com dificuldades económicas e condições sociais deficitárias, o que justifica o produto dos roubos, essencialmente bens alimentares e vestuário.

“É um grupo de jovens que reside em Abrantes, no interior da cidade, e que vive num quadro social gravíssimo, em virtude de insuficiência económica, não têm suporte familiar, e então temos nós reparado que se têm dedicado a furtos de bens de primeira necessidade. Falamos disto com toda a certeza, porque nalguns dos casos nós intercetámos estes menores numa situação de flagrante delito, sendo-lhes apreendidos os bens furtados”, referiu o responsável.

“Num caso em concreto, estamos a falar de roupas. Tivemos depois outros furtos onde o produto do furto são bens alimentares e em situações consecutivas novamente roupas, inclusivé roupas de criança”, disse

Segundo o Comandante da Esquadra da PSP abrantina “na maioria das situações são menores que têm vindo a perpetuar este tipo de furtos. E aquando da situação onde os intercetámos, não os pudemos deter, porque a lei não permite. Ou seja, se estivermos a falar de maiores de idade, era possível a detenção dos autores do crime, e a apresentação imediata ao Juiz de Instrução, neste caso, para aplicação de medidas de coação”, explicando que ao se falar de menores “tal não é possível, não podem ser detidos nestes casos, e então limitamo-nos a fazer a apreensão dos bens que foram furtados, e o encaminhamento de toda a situação para o Tribunal de Família e de Menores, que foi o que fizemos”.

Segundo o responsável “as situações que ocorreram estão totalmente identificadas. Estamos a trabalhar para levá-los à Justiça, para que possamos pôr termo a estas situações. Perante a lei penal, maiores de 16 anos já podem ser punidos criminalmente. Se tiverem menos de 16, e no caso de uma interceção que fizemos em flagrante, todos eles tinham menos de 16 anos, e não puderam ser detidos”.

Segundo informação das autoridades e da CM Abrantes é mais preocupante a destruição e vandalismo na entrada nos estabelecimentos. “É mais pelo dano que é criado nos estabelecimentos, porque estamos a falar nomeadamente de estabelecimentos de restauração e bebidas, onde eles procuram géneros alimentares. E estabelecimentos de vestuário. O dano é quase maior que o produto do furto”, concluiu o comandante da PSP.

Foto: mediotejo.net
Segundo o Comandante da PSP, nos 5 furtos levados a cabo por jovens em situação de carência, os danos foram superiores ao produto do roubo, uma vez que se apreenderam bens de primeira necessidade, nomeadamente roupas e bens alimentares. Foto: mediotejo.net

Abrantes em 4º lugar no ranking da criminalidade entre os 13 do Médio Tejo

“Entre 2008 e 2009, éramos dos concelhos com maior nível de criminalidade no Médio Tejo e hoje estamos em penúltimo, numa situação de baixa criminalidade”, disse o vice-presidente, Caseiro Gomes.

Porém, segundo dados a que o mediotejo.net teve acesso, no âmbito da criminalidade na região do Médio Tejo, Abrantes surge em quarto lugar no ranking dos 13 concelhos desta região, com um total de 766 crimes.

Verificou-se que de 2014 para 2015, os 13 municípios da região do Médio registaram um aumento de cerca de dois por cento no número de crimes registados pelas autoridades policiais, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

O concelho de Abrantes regista neste período 240 Crimes contra as pessoas, 346 Crimes contra o património, 129 Crimes contra a vida em sociedade, 13 Crimes contra o Estado, 3 Crimes contra animais de companhia e 35 Crimes previstos em legislação avulsa.

Segundo informação da autarquia, na próxima semana haverá nova reunião do Conselho Municipal de Segurança onde serão abordadas todas as questão sobre a segurança no concelho de Abrantes.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome