Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Segunda-feira, Junho 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Praias fluviais de Aldeia do Mato e Fontes renovam conquista da Bandeira Azul (c/áudio)

As praias fluviais de Aldeia do Mato e de Fontes, em Abrantes, vão hastear novamente a Bandeira Azul este ano 2021, galardão máximo que simboliza a qualidade das suas águas e da sua envolvente ambiental. O concelho de Abrantes tem duas das cinco Bandeiras Azuis existentes na região do Médio Tejo, dois equipamentos ligados pela albufeira de Castelo de Bode e que tiram partido quer do espelho de água, quer da envolvente florestal, como polos de recreio e lazer e de desenvolvimento turístico e económico. 

- Publicidade -

O presidente da Câmara de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos, não escondeu a sua “satisfação e orgulho” por ver as suas duas praias fluviais com Bandeira Azul repetindo a distinção do ano passado, constituindo-se as mesmas como dois importantes polos de lazer e de dinamização turística e económica nas respetivas freguesias, no concelho e na região.

ÁUDIO: MANUEL JORGE VALAMATOS, PRESIDENTE CM ABRANTES:

- Publicidade -

O presidente destacou o investimento em curso na ordem dos 100 mil euros para melhorar as condições na praia fluvial de Aldeia do Mato, cujas águas, serviços e envolvência ambiental são reconhecidos com a qualidade de excelência na albufeira de Castelo do Bode. A melhoria infraestrutural incide em algumas necessidades nas casas de banho e em algumas infraestruturas de madeira que estão a ser reparadas ou substituídas.

Manuel Jorge Valamatos abordou ainda a necessidade de ter em atenção a quantidade de água no Rio Tejo, situação que condiciona muito a dinâmica do curso de água e investimentos de âmbito turístico e posicionamento relativamente a uma candidatura a Bandeira Azul. “Ainda há muito trabalho a fazer” no âmbito da gestão do rio Tejo, notou, tendo o autarca reiterado o objetivo de criar uma praia fluvial no Aquapolis. 

A praia fluvial de Aldeia do Mato é uma das praias no Médio Tejo que tem Bandeira Azul e em que a qualidade das suas águas conquistou também o prémio Qualidade de Ouro da Quercus. Foto arquivo: mediotejo.net

Recorde-se que a distinção com Bandeira Azul representa um símbolo de qualidade ambiental atribuído anualmente às praias e portos de recreio e marinas que se candidatam e que cumpram um conjunto de critérios do Programa Bandeira Azul. Estes estão divididos em 4 grupos: Informação e Educação Ambiental; Qualidade da Água; Gestão Ambiental e Equipamentos e Segurança e Serviços.

Em comunicado a ABAE refere que são “372 praias, 16 Portos de Recreio/Marinas e 11 Embarcações Ecoturísticas galardoadas com Bandeira Azul, pelo Júri Internacional, em 2021, o que significa um aumento de 12 Bandeiras Azuis em relação a 2020”.

Praia fluvial em Fontes. Foto: CMA

Por outro lado, o Programa Bandeira Azul 2021 terá como tema a “Recuperação de Ecossistemas”, considerando que a sua degradação tem um impacto direto no bem-estar de cerca 3,3 mil milhões de pessoas, de acordo com a Assembleia Geral das Nações Unidas, que declarou 2021-2030 como a Década das Nações Unidas para a Recuperação dos Ecossistemas.

No ano passado, na Praia Fluvial de Aldeia do Mato, foram hasteadas as Bandeiras que atestam a qualidade desta praia fluvial, tendo a mesma conquistado o Galardão de água balnear “Qualidade de Ouro” atribuído pela Quercus, o Galardão Bandeira Azul, pela Associação Bandeira Azul da Europa, e ainda o de Praia Acessível – Praia para todos.

Praia fluvial de Aldeia do Mato, em Abrantes, vai hastear este ano novamente a Bandeira Azul (Foto: mediotejo.net)

A praia fluvial de Aldeia do Mato está equipada com várias estruturas de apoio à prática de atividades balneares e náuticas de recreio como a piscina flutuante para crianças e adultos, embarcações não motorizadas (canoas, vela e remo), bar/cafetaria, instalações sanitárias e bungalows para quem quiser pernoitar, estando também equipada com rampa de acesso a pessoas com mobilidade reduzida.

Mais recentemente, foi instalado um cable park, para a prática de wakeboard, um investimento efetuado no âmbito da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo e patrocinado por cada uma das cinco autarquias envolvidas à volta da albufeira de Castelo de Bode.

Praia Fluvial de Aldeia do Mato recebeu Bandeira Azul pelo 10º ano consecutivo. Créditos: mediotejo.net

A Bandeira Azul vai ser hasteada também na Praia Fluvial de Fontes, equipamento que ostenta este galardão pelo terceiro ano consecutivo, ou seja, desde que foi inaugurada em 2018.

A praia fluvial de Fontes encontra-se logo após descer do lugar de Cabeça Ruiva. Tem piscina flutuante na água, apenas para adultos, embora tenha cerca de 1 metro e meio de profundidade.

Fontes hasteou a bandeira azul pela primeira vez em 2019 Foto: mediotejo.net

A infraestrutura dispõem de serviços de apoio que contam com nove lugares de estacionamento, um dos quais para pessoas com mobilidade reduzida, acessos pedonais, um bar com 18,75 metros quadrados, sanitários, balneários, duches com uma área de 24 metros quadrados, um ponto de água potável, uma zona de lazer equipada com mesas, bancos e papeleiras, um parque para contentores de resíduos indiferenciados e ecoponto e iluminação pública bem como piscina flutuante na água, apenas para adultos.

A praia de Fontes dista cerca de quatro quilómetros da aldeia e no local foi também criada uma zona de proteção interdita a viaturas.

Na freguesia de Fontes, a cerca de 30 quilómetros da cidade de Abrantes, nasceu em 2018 uma nova praia fluvial no Zêzere e que hasteou a Bandeira Azul pela segunda vez consecutiva. Foto: DR

A Bandeira Azul é um símbolo de qualidade ambiental atribuído anualmente às praias e portos de recreio e marinas que se candidatam e que cumpram um conjunto de critérios, sendo que estes Critérios do Programa Bandeira Azul estão divididos em 4 grupos: Informação e Educação Ambiental; Qualidade da Água; Gestão Ambiental e Equipamentos e Segurança e Serviços.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome