Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Agosto 3, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Pormenores do CRIA pincelados em telas expostas até fim do mês

Da fotografia de pormenores do dia-a-dia, ao estudo de cor e mistura de cores primárias, até ao desabrochar de flores, amadurecer de frutas e poisar de aves, pintados em acrílico sobre telas de 40 x 30 cm e de 29 x 21 cm feitos pelos utentes do Atelier de pintura do Centro de Atividades Ocupacionais do CRIA, na Quinta das Pinheiras. A exposição do resultado final, inaugurada esta quinta-feira de manhã, estará patente no hall do edifício-sede do CRIA até 31 de maio. As obras estão disponíveis para venda, pela módica quantia de 10 euros que contribuirão possivelmente para a manutenção deste atelier agora reativado com o apoio do Rotary Club de Abrantes, patrocinador da iniciativa.

- Publicidade -

Segundo Nelson de Carvalho, presidente da direção do CRIA, “as pessoas que vêm aqui e sobretudo que passam o dia connosco nas Atividades Ocupacionais têm trabalhos de sala e têm as terapias prestados pelos nossos técnicos, mas precisam de outras atividades, onde se exprimam, e por isso a nossa preocupação tem sido incentivar e incrementar o lançamento daquilo que chamamos ateliers”, explicou.

Deste modo, houve a necessidade de lançar novos desafios aos utentes e recuperar antigas atividades. “Recuperámos o teatro que recomeçou depois de uma série de anos de paragem, o rancho está ativo, começou este atelier de pintura e estamos a preparar também o atelier do pão, e vamos lançando atividades onde eles possam estar, escolher as que gostam mais, de modo a que se sintam aqui felizes, que é isso para isso que aqui estamos”, notou o presidente.

- Publicidade -

Já o atelier de pintura, protagonista neste dia, “foi criado depois do verão, e iniciou o seu trabalho em outubro”, tendo sido patrocinado pelo Rotary Club de Abrantes, que entendeu ser uma boa iniciativa e apoiou na aquisição de materiais.

Depois de “muitos meses de trabalho” e “aprendizagem”, surge a oportunidade de realizar esta exposição, uma vez que se integra no programa comemorativo dos 40 anos do CRIA, assinalados em março, e cujas atividades acontecerão todo o ano. “Uma vez que este ano o CRIA assinalou em março os seus 40 anos, temos um programa ao longo de todo o ano em que cada uma das respostas sociais, em cada mês, se vai mostrando (…) este foi o mês do CAO, o nosso Centro de Atividades Ocupacionais, em que se insere este atelier e esta exposição aqui está para mostrar o que os nossos pintores fizeram e estão ainda numa fase muito inicial”, esclareceu Nelson de Carvalho.

Acontece que, se eventualmente visitar o espaço e se enamorar por uma das telas, pode comprá-las e ajudar a instituição bem como contribuir para o incremento da autoestima destes pintores em ascensão. “As obras estão à venda também, esperamos que possam ter um destino, mas se houver entretanto oportunidade nós gostaríamos que ela tivesse alguma itinerância”, contou o responsável pelo CRIA, notando ainda que já havia sido demonstrado interesse para exposição das obras na UF de Abrantes e Alferrarede.

Quanto aos lucros da venda das obras expostas ainda não se sabe qual o seu destino, mas segundo o presidente da direção do CRIA “ainda não decidimos sobre isso, vamos vender, vamos ver o que sobra”, mas “é evidente que achamos que os pintores devem ter uma parte do seu trabalho, o resto poderá ser para comprar tintas”.

A iniciativa foi reativada mantendo-se uma lógica de continuidade. “Não queremos que isto acabe e queremos, tanto quanto possível, que seja auto-sustentável, que estas receitas possam servir para eles e terem perceção do funcionamento desta área e do próprio atelier de pintura”.

Célia Agostinho, monitora do atelier de pintura, explicou em declarações à comunicação social que a iniciativa partiu de uma seleção dos utentes interessados em participar no atelier. “Fomos selecionar das 7 salas do CAO, com cerca de 70 alunos, aqueles que tinham mais capacidades, os que há alguns anos já tinha tido aulas de pintura e outros que tinham mesmo gosto, não tinham pintado nada até aqui de concreto, e que se adaptaram”, disse, contabilizando 16 alunos participantes e 32 obras produzidas.

O atelier funciona 3 vezes por semana, e os alunos são divididos por esses dias, de acordo com as atividades em que participam. Em tom de balanço, Célia referiu que “é um trabalho que eu gosto bastante, já pinto há bastantes anos e tenho formação em pintura e também design gráfico, mas como noto que eles têm um grande gosto em pintar, acho que correu bastante bem”.

Joana de Faria Maia, presidente do Rotary Club de Abrantes, explicou que o apoio dado ao CRIA surgiu no âmbito do lema escolhido pelo presidente do Rotary International que este ano se prende com o Serviço à Humanidade, e pelo facto de no discurso do responsável se relevar o fazer pequenas coisas para transformar o mundo. “Este é um bom exemplo de como uma pequena ajuda, mesmo muito pequena, a alegria que trouxe, a descoberta das novas capacidades dos utentes, era nesse seguimento, dessa mensagem, que pretendemos mudar o mundo com coisas pequeninas ao nosso redor – e no caso da exposição – de pequenos pormenores do CRIA”.

Os quadros, segundo a representante do RCA, “refletem a alegria dos utentes e dos artistas, as cores animam qualquer casa que os vá ter”. E tudo isto foi conseguido com a contribuição de cerca de 300 euros do RCA, “muito pouco para o resultado final, e é isso que significa com pequenas coisas mudar o mundo”, disse.

A continuidade do apoio à instituição foi garantida pela presidente, e este projeto em concreto não será exceção, uma vez que para o RCA “a arte ajuda-nos, liberta-nos, eleva-nos”, e é considerado uma mais-valia para os utentes.

Nesta manhã o Rancho Folclórico Quinta das Pinheiras, do CRIA, ensaiado por duas colaboradoras da instituição, brindou os presentes com algumas modas tradicionais. Várias entidades estiveram presentes, nomeadamente representante do RAME e o autarca da CM Mação, Vasco Estrela.

Novo atelier vai pôr utentes com as mãos na massa

Em conversa com o mediotejo.net, Nelson de Carvalho referiu que está em vista a criação de um novo atelier: o atelier do pão. Um projeto de três monitores do CAO que “na sequência de termos estado presentes nas festas de São Lourenço e justamente a fazer pão com chouriço, na altura pedimos um forno emprestado, e correu muito bem. E achámos que podíamos lançar essa atividade aqui”, desvendou.

Depois da presença de jovens rotários na instituição, no âmbito da Conferência Distrital de Rotaract e Interact no CRIA, estes fizeram “um donativo para comprarmos já o primeiro forno, precisamos fazer umas obras mas espero que no início do próximo ano esteja tudo em condições para que os nossos utentes possam também participar na venda do pão e também a distribuí-lo”. Segundo Nelson de Carvalho o pão “é para venda, antes de mais aqui na casa, mas também para festas e outras oportunidades”, uma vez que “este atelier não funcionará todos os dias, não vamos ter pão fresco todos os dias”, notou.

CAO em Mação: “projeto está a andar”

O presidente da direção do Centro de Recuperação e Integração de Abrantes recordou a reunião com o ministro da tutela Vieira da Silva, onde foi apresentado o projeto de parceria local entre o CRIA e a CM Mação, bem como a presença numa Assembleia Municipal, que decorreu no auditório do Agrupamento de Escolas Verde Horizonte, de Mação, onde se esclareceram questões dos deputados municipais bem como se contextualizou o trabalho desenvolvido pelo CRIA e a pertinência do projeto para o concelho de Mação, fazendo notar que a instalação do CAO e lar residencial em Mação “vai demorar tempo, mas está a andar de acordo com o previsto”.

“A CM está a fazer o projeto de adaptação do edifício, é uma coisa boa, no centro da vila, tem a comunidade onde se vai instalar como toda a vila no seu alcance, e está a correr de acordo com o previsto”, insistiu.

Segundo o responsável, os anos 2017/2018 serão determinantes para o desenvolvimento do projeto, nomeadamente em termos burocráticos. “Creio que 2017 e 2018 são anos de muito trabalho para termos o edifício pronto, entretanto faremos a candidatura em momento oportuno para que o Ministério aprove e o CRIA assuma a respetiva gestão nos termos do acordo com o Estado”, explicou.

Recorde-se que o CRIA e a autarquia de Mação estão a trabalhar num projeto que pretende instalar em Mação, no antigo quartel dos bombeiros, um Centro de Atividades Ocupacionais e lar residencial.

 

Espreite aqui os registos do momento de inauguração da exposição “Pormenores do CRIA”, do Atelier de Pintura do CAO:

 

 

 

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome

- Publicidade -