- Publicidade -
Terça-feira, Dezembro 7, 2021
- Publicidade -

Abrantes | PJ já identificou autor de homicídio negligente e omissão de auxílio

A Polícia Judiciária anunciou ter identificado o condutor que atropelou mortalmente Yuri Manzghhurin em Alferrarede, cidadão ucraniano de 34 anos que residia em Abrantes e que viria a ser atropelado na madrugada de 1 de fevereiro sem que o condutor parasse para prestar auxílio.

- Publicidade -

Em comunicado, a PJ de Leiria dá conta de ter procedido à “identificação de autor de homicídio negligente e omissão de auxílio”, na sequência da notícia de um atropelamento e fuga, ocorrido no início do mês de fevereiro na zona de Abrantes. Aquela força policial refere que ao longo destes meses foram desenvolvidas diligências investigatórias, as quais levaram à identificação e localização da viatura interveniente, bem como do seu condutor.

Segundo a PJ, “após a prática dos factos, a viatura danificada foi guardada numa garagem, tendo sido localizada e apreendida. No decorrer de diversas diligências realizadas, na quarta-feira, dia 8 de maio, “o suspeito foi identificado pela prática dos factos em referência, bem como foi encontrado na posse de objetos e de material estupefaciente, em quantidade indiciadora da prática do crime de tráfico de estupefacientes, tendo sido detido em flagrante delito”.

- Publicidade -

O arguido, de 26 anos de idade e desempregado, foi presente às autoridades judiciárias competentes, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de apresentações semanais no OPC da sua área de residência.

Yuri Manzghhurin, de 34 anos, de nacionalidade ucraniana, foi atropelado mortalmente na madrugada de uma sexta-feira, 1 de fevereiro, em Alferrarede, Abrantes, na Avenida António Farinha Pereira, junto ao posto de abastecimento da BP.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome