Abrantes | Patronato de Santa Isabel de portas fechadas definitivamente

Patronato de Santa Isabel em Abrantes. Créditos: mediotejo.net

O Patronato de Santa Isabel encerrou definitivamente as portas. A sua história recente algo conturbada, a certa altura, com passagem para a alçada da Santa Casa da Misericórdia de Abrantes, ficou por aqui, com as oito raparigas institucionalizadas – na verdade 9, estando uma delas em situação de fuga – a serem recolocadas noutras instituições do País, confirmou ao mediotejo.net o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Abrantes, Alberto Margarido.

PUB

O provedor explicou que o acolhimento das jovens tornou-se “preocupante” e inviável à continuação da instituição que acolhia e protegia raparigas menores. E desta vez não foram problemas financeiros ou custos de manutenção e funcionalidade. Na realidade, o encerramento da instituição “foi deliberado em 2011, porque haviam problemas financeiros com prejuízos anuais na ordem dos 100 mil euros, mas com o apoio da Segurança Social as contas equilibraram-se”, explica Alberto Margarido.

O que agora motivou a decisão prendeu-se com “comportamentos problemáticos” das raparigas que “não estariam no local adequado”, agravados em contexto de pandemia de covid-19, por desrespeito ao confinamento. “Tivemos receio do que poderia acontecer, com o que se estava a passar” disse.

PUB

Os desentendimentos entre as jovens “eram regulares e envolviam as funcionárias” conta. Na instituição laboravam nove trabalhadoras que atualmente “estão a ser reintegradas” noutros serviços da Santa Casa da Misericórdia de Abrantes, assegura o provedor.

Patronato de Santa Isabel em Abrantes. Créditos: mediotejo.net

Alberto Margarido garante também que a instituição “tentou criar as melhores condições para que as raparigas fossem integradas e saíssem com um projeto de vida” inclusivamente “durante a pandemia foram-lhes doados computadores e tinham uma monitora” para ajudar na Escola à distância.

Mas as jovens confinadas “num edifício antigo, construído em madeira, saltavam para a rua” por onde deambulavam alheias às recomendações de segurança sanitária. “À noite iam até à Misericórdia para comer, onde eram recebidas pois estavam à nossa responsabilidade”, refere, falando de comportamentos “muito pouco cordatos” e acrescentando as “várias queixas diárias dos vizinhos, devido à gritaria e ao barulho”.

PUB

Perante tal situação, “a mesa [administrativa] reuniu para decisão” que foi aprovada em Assembleia Geral. As oito raparigas do Patronato – excepto um caso pendente, por processo de autonomia da jovem –, com idades compreendidas entre os 12 e os 18 anos, “foram encaminhadas via Segurança Social e Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, e colocadas em instituições mais adequadas à sua situação, por determinação do tribunal” indicou o provedor.

O Patronato de Santa Isabel acolhia idealmente 18 raparigas mas chegou a acolher mais. A instituição foi criada a 13 de fevereiro de 1921 com o nome de Sopa dos Pobres por iniciativa da Santa Casa da Misericórdia de Abrantes, na tentativa de acabar com a mendicidade e degradação moral vivida pelas ruas.

Os primeiros Estatutos foram aprovados por alvará do Governo Civil de Santarém em 7 de março de 1921. A 1 de maio desse mesmo ano, no edifício da Sopa dos Pobres, começaram a ser distribuídas as primeiras sopas. A 30 de novembro de 1963 foi inaugurada uma nova sede da “Sopa dos Pobres”, sendo este edifício doado para ser o Patronato de Santa Isabel.

Em abril de 1978 foram aprovados os novos “Estatutos” e a Instituição passou a designar-se oficialmente por “Patronato de Santa Isabel” e a funcionar como Lar de Infância e Juventude.

Após deliberação da extinção do “Patronato de Santa Isabel”, a Santa Casa da Misericórdia de Abrantes assumiu a 1 de julho de 2004, uma nova valência, a de “Lar de Infância e Juventude”, propondo-se assegurar uma maior estabilidade às Crianças e Jovens da Instituição. À beira de completar 100 anos encerra definitivamente as portas, na cidade de Abrantes.

PUB
Patronato de Santa Isabel em Abrantes. Créditos: mediotejo.net

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here