Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Passagem de Ano é na Barão da Batalha

“Somos Todos Abrantes” será o mote para o evento de Passagem de Ano na cidade. Maria do Céu Albuquerque, presidente da autarquia, disse que “Abrantes vai celebrar mais uma vez”, sendo este ano a festa na Praça Barão da Batalha, onde a Câmara Municipal vai instalar uma grande tenda.

- Publicidade -

“O desafio é que os cafés, os restaurantes, possam abrir e trazer as pessoas para dentro do centro histórico, e vamos trazer os nossos artistas locais”.

No cartaz constam Salomé Silveira e a sua banda, Funk You, Kwantta, e de fora chegará The Crow Ibiza  para animar a noite, antes e depois da meia-noite.

- Publicidade -

Praça Barão da Batalha acolhe passagem de ano em Abrantes. Foto: DR

A 7 de janeiro, terá lugar o tradicional Concerto de Ano Novo, pelo pianista Adriano Jordão acompanhado com o Quarteto Arabesco, de cordas, na Igreja de São Vicente.

O músico propôs que se faça uma viagem pelo percurso artístico do compositor alemão Robert Schumann.

“Vai ser com certeza mais um momento de grande qualidade neste nosso evento que desde há alguns anos vimos fazendo ao sábado. Normalmente, nós escolhemos o primeiro fim de semana a seguir à passagem de ano; quando o fim de semana é logo a seguir ao dia 1, fazemos no fim de semana seguinte [que é o caso deste ano], porque há sempre as pessoas que vão passar o ano fora e portanto, também acabamos por desligar um pouco mais da passagem de ano e parece-nos mais produtivo e tem-se mostrado um bom modelo, e vamos continuar”, referiu a autarca.

Centro histórico de Abrantes acolhe festa da passagem de ano 2016/2017. Foto: DR

Em declarações aos jornalistas, o vereador da Cultura, Luís Dias, reforçou ser a festa deste ano, “dedicada a um tema que assumimos como aglutinador – Somos todos Abrantes” tendo destacado que, “na lógica de valorização dos nossos talentos e por força da necessidade que temos de dar palco aos nossos jovens, convidámos a Salomé Silveira e a sua banda, os Funk You, uma banda de covers, e os Kwantta para começar a noite, a partir das 22 horas, na Praça Barão da Batalha”, onde está a ser montada uma tenda “onde o conforto será ajustado ao frio da própria noite”, vincou Luís Filipe Dias.

“Depois da meia-noite, com um alinhamento devidamente articulado que está a ser trabalhado, vamos ter o projeto Electric Vibes, com o Nuno Flores dos Corvos, acompanhado por um DJ e outro violinista que nos acompanharão numa noite mais eletrizante até às 4 ou 5 da manhã, já no Ano Novo”, reforçou o vereador, tendo feito notar ainda que “será uma noite com algumas surpresas e com animação associada, com alguns apontamentos que marcarão uma boa entrada em 2017”.

A Passagem de Ano 2016/2017 “é o momento de viragem de um momento particularmente desafiante, de um ano edificante mas, sobretudo, também marca a entrada de um ano em que queremos continuar a alicerçar o futuro, continuaremos a reforçar os sentimentos de pertença, a valorizar a nossa história e a nossa memória mas também a construir novos projetos porque, inclusive, esta imagem do Centenário ficará connosco até ao mês de junho de 2017”, observou, tendo ainda remetido para o concerto de Ano Novo, a decorrer no dia 7 de janeiro.

“Este ano vamos ter o pianista Adriano Jordão, pianista conceituado um pouco por todo o mundo, que traz consigo o Quarteto Arabesco e farão uma exibição de grande qualidade na Igreja de S. Vicente, dia 7 de janeiro, às 21:30 horas. Depois fará também um percurso pela história da música, num projeto mais clássico mas igualmente de inegável qualidade”, concluiu.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome