Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Domingo, Setembro 19, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Abrantes | Obras em várias frentes modificam a face do concelho (c/fotos)

O mediotejo.net andou, na manhã desta sexta-feira, 16 de junho, a convite da autarquia, a visitar um conjunto de obras que foram realizadas ou ainda estão em curso no concelho de Abrantes. Empreitadas, algumas de milhões de euros,  que têm como objetivo único contribuir para a melhoria da qualidade de vida das populações e que, em outros casos, foram desenvolvidas pelas Juntas de freguesia no âmbito de contratos inter-administrativos.

- Publicidade -

Primeira obra a visitar foi a que decorre no Convento de S. Domingos, que acolherá o futuro MIAA – Museu Ibérico de Arqueologia e Arte. Foto: mediotejo.net

O ponto de partida fez-se do Largo 1.º de maio – que também vai sofrer obras futuramente – junto ao Tribunal onde se encontrava a presidente da Câmara, Maria do Céu Albuquerque, acompanhada por outros elementos do executivo,  alguns técnicos da autarquia e ainda Bruno Tomás, presidente da União de Freguesias de Abrantes (S. Vicente e S. João) e Alferrarede.

- Publicidade -

Dali fomos, a pé, até ao Convento de S. Domingos, que acolherá o futuro MIAA – Museu Ibérico de Arqueologia e Arte. Uma obra de grande envergadura, que tem o valor de 3 milhões 124 mil e 398,26 euros, tendo sido adjudicada à empresa Teixeira Pinto&Soares durante o prazo de 910 dias. Neste dia, foi destacado que foram encontrados achados arqueológicos do séc. XVI mas que o prazo final da obra não deverá ser comprometido. “É a nossa história que está a ser reescrita porque o que vamos encontrando ajuda-nos a perceber a ocupação daquele espaço ao longo dos séculos”, disse Maria do Céu Albuquerque.

Achados Arqueológicos no Convento de São Domingos Foto: mediotejo.net

Bairros residenciais ganham novos espaços de lazer

Já no autocarro da câmara, deslocamo-nos para ver as obras de requalificação de bairros que, neste caso, contemplaram os passeios e Arruamentos no Cana-Verde, na Urbanização do Condoal – Chainça e Urbanização de Santa Luzia – Chainça. No Condoal, uma zona residencial ocupada por muitos casais novos, a junta promoveu a requalificação de um espaço de lazer, que ganhou um parque de ginástica ao ar livre, sendo que as zonas verdes envolventes também foram recuperadas. Em Santa Luzia, procedeu-se à requalificação dos espaços exteriores, através da colocação de exemplares arbóreos e a recuperação de alguns pavimentos. Estas obras foram feitas no âmbito de acordos inter-administrativos entre câmara e junta.

Urbanização do Condoal ganhou um novo ginásio ao ar livre/espaço de lazer para as famílias Foto: mediotejo.net

A próxima paragem foi para verificar a requalificação da Estrada Carvalhal – Souto, uma empreitada que já está concluída e que custou cerca de 220 mil euros. O objetivo passou por melhorar as condições de segurança e de circulação da E.M- 446-1,  numa extensão de cerca de 3.315 metros. Para além do novo pavimento em betão, a via foi alargada e recebeu nova sinalização. A última vez que esta estrada tinha sido pavimentada foi há 25/30 anos, não tendo recebido qualquer intervenção até esta data.

Requalificação da Estrada Carvalhal – Souto já está concluída e que custou cerca de 220 mil euros Foto: mediotejo.net

Obra de 168 mil euros para 20 pessoas

Já na Freguesia de Fontes, aguardava-nos na localidade de Vale de Açor – onde residem cerca de 20 pessoas –  Sónia Brunheta, presidente de Junta de Freguesia de Fontes na companhia de duas populares. O objetivo passou por mostrar a requalificação da Estrada Vale de Açor – Água das Casas. Esta empreitada, concluída em maio, representou um investimento de 168.309,55 euros, sendo que a intervenção se estendeu por cerca de 3.820 metros numa via que tinha sido pavimentada pela última vez há 30 anos e que nunca tinha sido objeto de uma intervenção de fundo.

“É um investimento brutal per capita mas que é determinante para garantirmos qualidade de vida a estas pessoas. Nós estamos a falar de um território de 714 km2 e com uma grande dispersão pelo que se não fizermos estas intervenções estas pessoas ficam completamente isoladas da sua sede de concelho” disse.

População ficou agradada com a requalificação da Estrada Vale de Açor – Água das Casas Foto: mediotejo.net

O autocarro seguiu, em seguida, para a União de Freguesias de S. Miguel do Rio Torto e Rossio ao Sul do Tejo onde Luís Alves, Presidente da Junta, nos mostrou as obras que decorrem na futura Unidade Saúde Familiar Rossio ao Sul do Tejo, uma obra orçada em 307 mil euros que decorre durante 210 dias. A nova USF vai nascer a partir da requalificação do antigo Mercado do Rossio ao Sul do Tejo e servirá cerca de 5 mil utentes.

Parques Infantis voltam a ter areia

Ainda nesta freguesia prossegue a requalificação da Praça Central em São Miguel Rio Torto –  uma empreitada de cerca de 150 mil euros que pretende recriar ali um novo espaço público – e foi requalificado o Parque Infantil em Arreciadas que, devido a uma alteração da legislação, voltou a poder ter um piso em areia para as crianças ali brincarem.

Neste último caso, o município suportou o encargo da aquisição de equipamentos infantis no valor de 5.691,60 euros e a junta fez as obras por administração direta. O presidente de junta garantiu que a areia será mudada cada vez que houver essa necessidade, salvaguardando-se as condições de higiene do recinto.

Luís Alves, Presidente da Junta, mostrou as obras que decorrem na futura Unidade Saúde Familiar Rossio ao Sul do Tejo Foto_ mediotejo.net

S. Facundo e Vale dos Mós ligadas por betão

António Campos, Presidente da União de Freguesias de S. Facundo e Vale das Mós mostrou, já a manhã ia quase no final, destacou uma importante obra na sua freguesia: a requalificação de cinco quilómetros na Estrada Municipal 556 entre S. Facundo e Vale das Mós, que permite a ligação direta das duas localidades. Trata-se de um investimento de cerca 332 mil euros que há muito tempo era aguardo pela população dado que estas duas localidades eram ligadas por uma estrada de terra batida e em condições difíceis de circulação.

“Esta é uma aspiração de décadas de duas comunidades. Houve sempre compromissos eleitorais de fazer isto e finalmente temos reunidas as condições para que isto aconteça e a obra está a começar e vamos ligar duas populações na mesma freguesia que não tinham ligação entre si”, disse Maria do Céu Albuquerque. “Vem resolver um problema de acessibilidades, ligar as duas localidades e facilitar o acesso ao concelho de Ponte de Sor onde trabalha muita gente”, indicou António Campos.

A requalificação da Estrada S. Facundo – Vale das Mós permite melhores acessos entre estas duas localidades Foto: mediotejo.net

A visita terminou no renovado Hotel Turismo, com um almoço, sendo que nesta ocasião Maria do Céu Albuquerque fez um balanço da jornada de trabalho desta manhã. “Visitamos um conjunto de intervenções de três tipologias: exclusivamente municipais, algumas que as juntas de freguesia estão a levar a efeito com o acordo inter-administrativos e intervenções que têm a intervenção da própria comunidade como é o caso da Praça Central São Miguel do Rio Torto”, explicou.

A autarca referiu que as obras desenvolvidas estavam previstas no orçamento camarário, sendo que algumas delas são comparticipadas por fundos comunitários. “O Museu Ibérico e a USF tem financiamento com contrato assinado e 85% a fundo perdido. Todas as intervenções que fizemos no espaço público e nos bairros residenciais são do orçamento municipal, sendo que algumas estão a ser feitas por empreitada própria e noutras é a junta de freguesia com o orçamento municipal”, disse, acrescentando que estão a ser lançadas, neste momento, outras obras.

“Este quadro comunitário demorou. Está atrasado no ponto de vista da sua execução porque supostamente devia ter começado em 2014 e não foi isso que aconteceu. Só no último ano é que houve a aprovação dos nossos projetos. Estamos a chegar ao fim do mandato. Há dois anos tínhamos feito uma visita ainda para mostrar as obras do QREN pelo que considerámos que era a altura mostrar o que finalmente está a acontecer. Neste momento, já temos contratado, de fundo perdido, 10 milhões de euros mas já temos candidaturas aprovadas de 14 milhões. Estamos a falar de investimento de proximidade, de reabilitação urbana e de estimulo à economia local”, sustentou.

 

 

 

 

 

Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. A ESTRADA QUE LIGA CARVALHAL AO SOUTO A ULTIMA VÊS QUE TINHA SIDO PAVIMENTADA FOI Á 48 ANOS E AINDA QUEM AJUDOU A REALISAÇÃO DA OBRA FOI O SENHOR J.PIMENTA…

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome