Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Mulher morre após ter sido atacada por um bode na aldeia do Pego

Uma mulher de 80 anos não resistiu aos ferimentos e morreu após ter sido vítima de um ataque de um bode na localidade do Pego, concelho de Abrantes, confirmou ao mediotejo.net fonte dos bombeiros locais.

- Publicidade -

Segundo o comandante dos Bombeiros de Abrantes, António Jesus, o alarme foi dado às 11:39 de quarta-feira, 25 de agosto, tendo o incidente ocorrido na Rua Vale de Ferreiros, na freguesia do Pego. O animal não pertencia à vítima e o proprietário do bode vai ter de responder pelo sucedido em processo crime, segundo as autoridades policiais.

No local estiveram a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Médio Tejo, a Guarda Nacional Republicana e os Bombeiros de Abrantes, sendo seis os operacionais.

- Publicidade -

A senhora “apresentava escoriações e entrou no Hospital de Abrantes como ferido grave”, explicou António Jesus ao nosso jornal, mas acabou por falecer, não resistindo aos ferimentos causados pelo animal.

Fonte do Comando Territorial de Santarém indicou ao mediotejo.net que a GNR elaborou o auto de notícia, remetido ao Ministério Público, tratando-se de um processo crime com responsabilidade imputada ao proprietário do animal, sendo, no entanto, necessário apurar os factos e aguardar as decisões a decorrer. 

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome