Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Mulher atacada por bode no Pego pode ter morrido devido a erro clínico

Há três semanas uma senhora de 81 anos foi atacada por um bode na aldeia do Pego (Abrantes) tendo falecido na sequência do ataque. Mas o Jornal de Noticias revela esta terça-feira, 14 de setembro, que afinal a causa da morte não foi o animal mas a troca de sangue que foi administrado à mulher no Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT).

- Publicidade -

- Publicidade -

O jornal mediotejo.net, que noticiou em primeira mão o incidente, pediu, entretanto, esclarecimentos ao Centro Hospitalar do Médio Tejo. Na resposta, o Conselho de Administração do CHMT “não confirma a causa da morte por administração de sangue errado”.

Contudo, “para apuramento do ocorrido, o Conselho de Administração determinou de imediato a realização de um processo de inquérito ao falecimento de uma utente de 81 anos, assistida na Unidade Hospitalar de Abrantes, no seguimento de um incidente provocado por um animal”.

- Publicidade -

O mesmo decorre “com caráter de urgência, com vista a apurar as causas da ocorrência, as consequências da mesma e a responsabilidade dos intervenientes”, afirma, tendo o CHMT acrescentado que “aguarda o resultado do inquérito”.

O Jornal de Notícias noticiou que Maria Rosa (a idosa) deu entrada no hospital em estado grave, no dia 25 de agosto, levou uma primeira transfusão com sangue universal (ORH+). Contudo, a segunda unidade de sangue “não era compatível” com o seu grupo sanguíneo, segundo refere o JN ter apurado junto de fonte hospitalar.

“Apagou-se naquele momento”, assegurou a mesma fonte ao JN. “A senhora morreria na mesma, mas além dessa informação não constar no processo do doente, até ontem, ainda não tinham informado a família”, pode ler-se.

Segundo o JN, o erro foi detetado no final da tarde do dia 25 de agosto, aquando da reposição das unidades de sangue em falta. “Abriram um processo judicial ao dono do bode, que era primo da senhora, e que está muito abalado pela situação por ser apontado como o causador da sua morte”, conta a referida fonte.

Acrescenta ainda que “a senhora chegou em estado muito grave ao hospital, mas não foi o bode que a matou. Ela chegou ao hospital consciente”, refere a notícia.

Maria Rosa deu entrada no hospital de Abrantes em estado grave com “uma lesão interna na zona do tórax, que lhe provocou o rebentamento do pulmão, uma lesão exposta na coxa e vários hematomas no corpo todo”, detalha o mesmo jornal.

Na ocasião do incidente fonte do Comando Territorial de Santarém indicou ao mediotejo.net que a GNR elaborou o auto de notícia, remetido ao Ministério Público, tratando-se de um processo crime com responsabilidade imputada ao proprietário do animal, sendo, no entanto, necessário apurar os factos e aguardar as decisões a decorrer.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome