Abrantes | Mais de três centenas de militares envolvidos em ações de patrulhamento florestal

Mais de três centenas de militares envolvidos em ações de patrulhamento, disse hoje o Ministro da Defesa Nacional, em Abrantes. Foto: MDN

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, afirmou hoje em Rio de Moinhos, Abrantes, que os três ramos das Forças Armadas têm cerca de 330 militares envolvidos nas ações de patrulhamento no âmbito da prevenção de fogos florestais.

PUB

“A importância é enorme. Nós estamos, nestes dias, numa situação de elevado risco devido às condições meteorológicas e uma das formas de mitigar o risco é, precisamente, ter as patrulhas a acontecerem de forma constante”, afirmou João Gomes Cravinho.

O governante deslocou-se hoje a Rio de Moinhos, Abrantes, para acompanhar uma ação de patrulhamento do Exército, no distrito de Santarém, no âmbito da prevenção de incêndios florestais.

PUB

“Temos dezenas de patrulhas diariamente. Temos cerca de 330 militares envolvidos dos três ramos [Forças Armadas] com diferentes meios. Do Exército estão mais de uma centena envolvidos em permanência”, afirmou.

Segundo o ministro, este trabalho de articulação permite que os militares estejam no sítio certo e no momento certo para vigiar e para dissuadir e para explicar às populações a importância de estarem atentos a possíveis ignições.

PUB

A Marinha e o Exército empenham entre hoje e domingo, 216 militares distribuídos por 24 patrulhas (seis da Marinha e 18 do Exército), em ações de patrulhamento dissuasor em 18 distritos de Portugal continental, de modo a minimizar o risco de incêndios florestais.

O governante deslocou-se hoje a Rio de Moinhos, Abrantes, para acompanhar uma ação de patrulhamento do Exército no âmbito da prevenção de incêndios florestais. Foto: Exército

Esta mobilização resulta de um pedido da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) ao Estado-Maior General das Forças Armadas.

Além destes, o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA) informou hoje que as Forças Armadas têm mais 108 militares, entre elementos da Marinha e do Exército, em tarefas diárias de vigilância das florestas e sensibilização da população até 30 de setembro.

De acordo com o EMGFA, estes 108 militares estarão distribuídos por 36 patrulhas ao abrigo do Protocolo FAUNOS.

O Protocolo FAUNOS, celebrado em 2017 entre as Forças Armadas Portuguesas e o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), contempla a realização de patrulhas por militares das Forças Armadas, na vigilância das áreas mais sensíveis da floresta e na sensibilização da população para a necessidade de adotar comportamentos adequados à prevenção dos fogos, em 14 distritos de Portugal continental, nos quais o ICNF tem responsabilidade, explica o EMGFA.

O ICNF disponibilizou ainda 36 viaturas, uma para cada patrulha.

Incêndios | Dois ‘drones’ da Força Aérea começam a operar na terça-feira a partir da Lousã

Os primeiros dois ‘drones’ de um conjunto de 12, cuja aquisição está a ser gerida pela Força Aérea, entram ao serviço na Lousã, a partir de terça-feira e, na primeira quinzena de agosto, vão estar todos operacionais, anunciou hoje o ministro da Defesa.

“No que toca aos ‘drones’, a aquisição de novos drones, novos meios que a Força Aérea está a gerir, vai permitir um aumento grande da capacidade de vigilância. São 12 novos meios. Os primeiros dois entram já ao serviço na terça feira, na Lousã”, afirmou o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho aos jornalistas.

O governante, que se deslocou a Rio de Moinhos, Abrantes, para acompanhar uma ação de patrulhamento do Exército, no distrito de Santarém, no âmbito da prevenção de incêndios florestais, adiantou que, depois da entrada ao serviço destes dois ‘drones’, seguir-se-ão outros dois, dentre de 10 dias, em Monchique e mais dois em Macedo de Cavaleiros.

“Durante a primeira quinzena de agosto, teremos os 12 [‘drones’] a cobrir todo o território nacional”, sustentou.

O ministro explicou ainda que os ’drones’ têm uma autonomia de voo na ordem das 10 horas, sendo que podem operar de dia e de noite, uma vez que possuem sensores que permitem identificar ignições durante a noite.

“Portanto, reforçam muito significativamente a nossa capacidade de identificação de focos de incêndio”, concluiu o governante.

Dois ‘drones’ da Força Aérea começam a operar na terça-feira a partir da Lousã. Foto: Exército

 

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here