Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Novembro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Lúcia Moniz e Pedro Lamares encarnaram Sophia e Jorge de Sena num espetáculo poético (c/vídeo)

Os atores Lúcia Moniz e Pedro Lamares deixaram rendido o público que encheu a sala da Biblioteca António Botto, em Abrantes, com “Para atravessar contigo o deserto do mundo”, uma performance inspirada na amizade e nas cartas trocadas entre os escritores Sophia de Mello Breyner Andresen e Jorge de Sena. Um espetáculo poético integrado na programação  dos “Caminhos Literários”, e que proporcionou uma noite diferente, no sábado, 20 de novembro, a quem conseguiu reservar um bilhete – esgotaram em três horas.

- Publicidade -

Sónia Lourenço, coordenadora do serviço de bibliotecas da Câmara Municipal de Abrantes, considera que estas atividades são de “extrema importância”, para que “nos possamos assumir cada vez mais como um território a nível cultural e a nível turístico”.

Começando por fazer uma bem-disposta contextualização do projeto e das próprias figuras de Sophia de Mello Breyner Andresen e Jorge de Sena, assim como da sua relação de amizade, que se perpetuou através da correspondência que os dois escritores foram trocando ao longo da vida, apenas terminada com a inesperada morte de Jorge de Sena, em 1978, os dois atores portugueses levaram os presentes numa viagem ao passado, com uma leitura contínua, sem arco narrativo ou personagens definidas.

- Publicidade -

A dupla construiu a performance em redor destes dois autores tendo em conta a celebração dos centenários do nascimento de ambos, em 2019.

Lúcia Moniz e Pedro Lamares, em Abrantes. Foto: mediotejo.net

Conforme explicaram no final, Lúcia Moniz ficou sobretudo com a parte da dramaturgia das cartas enquanto Pedro Lamares se responsabilizou pela poesia. Depois, cada espetáculo é único. “Seguimos sempre um caminho diferente, temos um objetivo e um propósito comum (…) mas vamos desbravando caminhos diferentes, mas sempre em sintonia”, disse Lúcia Moniz. 

“Hoje andámos claramente a surfar o erro”, disse Pedro Lamares sobre o espetáculo que decorreu na Biblioteca António Botto. “Não no sentido em que tenhamos errado mais do que o que é habitual, mas no sentido de ‘bora voltar a procurar qualquer coisa para não estabilizar e assentarmos o espetáculo, bora voltar a provocar-nos, a jogarmos e brincarmos, e a preocupar-nos só com o comunicar com as pessoas'”, acrescentou o ator.

Mas também o público é fulcral para o desenvolvimento de cada espetáculo: “Quando percebemos um público com mais sentido de humor, mais fragilidade, mais sensibilidade, ou com mais energia de protesto e de intervenção, nós também comunicamos com o público, e é para ele que fazemos o espetáculo, e isso é uma grande condicionante de cada espetáculo. Hoje sentimos esta liberdade dada pelo público de podermos desbravar outro caminho”, disse Lúcia Moniz, atriz que nos últimos meses esteve em destaque a nível internacional pela sua interpretação no premiado filme “Listen”.

A sala da Biblioteca Municipal António Botto estava lotada, tendo os bilhetes para o espetáculo esgotado em apenas três horas. Foto: mediotejo.net

Liberdade esta dada por um público abrantino que esgotou em três horas os bilhetes disponíveis para o espetáculo: Ddisponibilizámos os bilhetes às 10h e antes das 13h já tínhamos lotação esgotada”, confidenciou Sónia Lourenço, que afirmou igualmente que, no final, várias pessoas lhe disseram que “[o espetáculo] foi extraordinário, grandioso, imponente”.

Foi um espetáculo “que emocionou”, congratulou-se Sónia Lourenço. “Esperamos dar continuidade a estes espetáculos e podermos ter casa cheia como tivemos hoje”, disse ainda a coordenadora do serviço de bibliotecas da Câmara Municipal de Abrantes, reforçando a importância de se levar cultura até à comunidade. “O importante é irmos ao encontro dos interesses da nossa comunidade, das suas necessidades, e também criar necessidades, é importante que as pessoas também conheçam não só aquilo a que estão habituadas mas que também possam conhecer outros autores, artistas, atores”.

O projeto Caminhos Literários prossegue esta semana na Biblioteca Municipal da cidade com uma oficina de escrita e imaginação, com Gonçalo M. Tavares, no dia 23 de novembro (ter, 14h). Já “Poetas com Voz”, um espetáculo de Luís Portugal (vocalista dos Jafumega), acompanhado por Rui Vilhena (Vozes da Rádio) na guitarra e voz, e por Ricardo Coelho, na percussão e vibrafone, está agendado o dia 26 de novembro (sex, 21h30).

O projeto intermunicipal Caminhos Literários, que envolve os municípios de Abrantes, Constância e Sardoal e que explora os territórios ligados a António Botto, Camões e Gil Vicente, pretende disponibilizar o usufruto da arte em locais públicos e de acesso livre e ser um elemento dinamizador da economia da região, através do turismo atraído por este evento que combina música, literatura, cinema documental, artes visuais, conversas, residências artística, teatro, entre outros.

O escritor José Luís Peixoto é a figura principal e impulsionador da construção do roteiro literário que integra este projeto.

Licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade da Beira Interior. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo. Ávido leitor, não dispensa no entanto um bom filme e um bom serão na companhia dos amigos.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome