Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | ‘Livros tirem-me daqui!’ o serviço de take away da Bi­bli­o­teca Mu­ni­cipal

En­quanto a biblioteca está fe­chada ao pú­blico, o serviço de take away da Bi­bli­o­teca Municipal António Botto, em Abrantes, fornece pro­gramas e ser­viços vir­tuais, no contexto da pandemia de covid-19. ‘Li­vros tirem-me daqui!’ é um ser­viço que lhe per­mite requisitar mi­lhares de li­vros e ou­tros do­cu­mentos que estão agora con­fi­nados às prateleiras.

- Publicidade -

“Ler pode ser uma boa estratégia de evasão e combate à anor­ma­li­dade, du­rante estes tempos inu­si­tados” considera a Biblioteca Municipal. “Os li­vros são li­vres. Podem levar-nos a ou­tros mundos e fazer-nos com­pa­nhia. Com eles po­demos vi­ajar sem sair de casa e viver ex­tra­or­di­ná­rias aven­turas. As mai­ores es­ca­pa­delas fazem-se através da ima­gi­nação”, acrescenta.

Para aceder a este ser­viço, os uti­li­za­dores fazem uma re­serva que será sa­tis­feita no prazo má­ximo de 24 horas, através do email biblioteca@​cm-abrantes.​pt ou pelo telefone 92 630 77 86. (De se­gunda-feira a sexta-feira, no ho­rário: 09h00-12h30; 14h00-17h30)

- Publicidade -

Pre­vi­a­mente, os lei­tores po­derão saber os tí­tulos dis­po­ní­veis através do ca­tá­logo da biblioteca em http://​zahara.​cm-abrantes.​pt:​8080/​ZaharaSQLW/​

Além dos tí­tulos dos do­cu­mentos que pre­tende, o uti­li­zador deve indicar o seu nome, número de leitor e o contacto te­le­fó­nico, para agen­da­mento do le­van­ta­mento.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome