Abrantes: Livro sobre Mouriscas apresentado hoje na Biblioteca

A Biblioteca Municipal António Botto, em Abrantes, recebe esta quinta-feira, às 18:00, o lançamento do livro “Mouriscas – Preservar o seu património cultural para a defesa da sua identidade”, o segundo de um conjunto de três cadernos culturais da autoria de Carlos Lopes.

PUB

Carlos Bento Lopes, professor universitário e natural das Mouriscas, concelho de Abrantes, apresentou o primeiro caderno no dia 19 de novembro, na Biblioteca Municipal de Abrantes, o primeiro de três cadernos culturais sobre esta freguesia do concelho de Abrantes.

Este primeiro trabalho, que se intitula “Vivências e memórias de um jovem moleiro”, retrata as memórias e experiências que Carlos Bento Lopes teve na sua juventude, passada nas Mouriscas.

PUB

“O meu pai herdou do meu avô uma azenha e, depois de eu ter feito a 4ª Classe em Abrantes fui ajudar o meu pai durante cinco anos no moinho, desde 1944 a 1949. Durante cinco anos aprendi a ser moleiro, a fazer fazendo”, refere o autor ao mediotejo.net.

“Este livro é o retratar destas memórias e dessa experiência com aspetos etnográficos importantes”, salienta Carlos Bento Lopes que explica que a recolha de informação e de testemunhos de várias pessoas das Mouriscas iniciou-se ainda na década de 80.

PUB

“Por vários motivos”, refere o autor, este trabalho de investigação esteve uns anos parado, mas “agora apareceu esta oportunidade de publicar este caderno cultural”.

“Para os jovens, para as Mouriscas e para Abrantes é um preservar da identidade porque sem memória não há nada e tudo se esvai. É um trabalho interessante que espero que os jovens fiquem sensibilizados para esta temática”, salienta Carlos Bento Lopes.

Recordar as memórias existentes do passado

A publicação deste Caderno Cultural contou com o apoio da ADIMO ­– Associação de Desenvolvimento Integrado das Mouriscas  e da AIDIA – Associação de Desenvolvimento Integrado de Alpiarça.

Na apresentação do livro, Humberto Lopes, presidente da Direção da ADIMO, salientou a importância desta obra que pretende dar a conhecer um património “que vai ficando ao abandono e esquecido e que queremos preservá-lo”.

Sobre Carlos Lopes Bento, Humberto Lopes referiu que “conheço-o deste a minha meninice, é um produto do Colégio Infante de Sagres das Mouriscas e se não tivesse prosseguido os estudos, teria sido um ótimo pedreiro que construía fornos redondos de tijolo que eram alimentados a serradura”.

Nesta obra, Carlos Lopes Bento retrata vários aspetos sociais das Mouriscas, como por exemplo o facto da sociabilização ser feita as tabernas “onde o consumo de vinho era um fator de sociabilidade e um copo de vinho oferecido não podia ser negado”.

Para Luís Dias, vereador da Cultura da Câmara Municipal de Abrantes, “com este livro vamos ser desafiados a recordar as memórias de um património industrial que existiu no concelho”.

João Serrano, representante da AIDIA, referiu que “o concelho de Abrantes tem um património valiosíssimo que deve de ser valorizado para não ser esquecido”.

Hoje, dia 10 de dezembro, vai ser lançado o segundo caderno cultural de Abrantes, também da autoria de Carlos Lopes Bento, que será sobre o património e identidade das Mouriscas.

E em fase final de preparação está outro caderno cultural, desta feita, “sobre artes e ofícios das Mouriscas entre 1860 e 1911, coisas muito interessantes, sobre artes e ofícios que nunca ouvimos falar e é bom que os jovens conheçam qual foi o trabalho dos seus avós e bisavós”, avançou Carlos Lopes Bento.

“São recolhas indispensáveis porque senão a história das Mouriscas perde-se e temos que partilhar estes conhecimentos, o que aprendi, julgo que devo de partilhar com os outros”, conclui Carlos Lopes Bento.

A cerimónia de hoje, aberta ao público, vai contar com a presença do autor Carlos Lopes Bento, da presidente da Câmara de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, do presidente da ADIMO, Humberto Lopes, e de João Serrano, presidente da AIDIA, entre outros convidados.

PUB
Mário Rui Fonseca
A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).