- Publicidade -

Abrantes | José Miguel Vitorino eleito presidente do Conselho de Jurisdição Nacional da JSD

Na sequência do XXV Congresso Nacional da Juventude Social Democrata, que decorreu este fim-de-semana, na Póvoa de Varzim, José Miguel Vitorino, presidente da Assembleia de Militantes do PSD Abrantes, foi eleito presidente do Conselho de Jurisdição Nacional da JSD, pela candidatura “Conquistar Portugal”, liderada por Margarida Balseiro Lopes, eleita Presidente da Comissão Política Nacional.

- Publicidade -

A candidatura “Conquistar Portugal” venceu as eleições de domingo em todos os órgãos da estrutura, colocando José Miguel Vitorino na presidência de um órgão nacional da estrutura partidária, o que até agora, e desde 2010, só acontecera duas vezes com militantes do Distrito de Santarém, com Duarte Marques a presidente da Comissão Política Nacional e com José Batista a presidente de Mesa do Congresso Nacional.

Na sua intervenção no Congresso, José Miguel Vitorino, deu conta da forma como pretende exercer o seu mandato: “a garantia que jamais cederei a qualquer pressão no exercício das minhas funções”, afirmou. “O desafio é grande mas a missão é simples: cumprir e fazer cumprir os Estatutos da Juventude Social-Democrata”, frisou.

- Publicidade -

Margarida Balseiro Lopes é a nova presidente da JSD

Margarida Balseiro Lopes, de 28 anos, é a nova presidente da Juventude Social-Democrata (JSD) e a primeira mulher a liderar aquela estrutura, derrotando André Neves, segundo os resultados das eleições de domingo no 25.º Congresso dos jovens social-democratas.

Na corrida à liderança para os órgãos nacionais da JSD no mandato 2018-2020 estavam André Neves e Margarida Balseiro Lopes, ambos com 28 anos, sendo que o primeiro apoiou o atual presidente do PSD, Rui Rio, nas últimas eleições diretas do partido, enquanto a nova líder da JSD não declarou apoio a nenhum candidato nesta disputa interna.

A JSD era, desde dezembro de 2014 e até agora, liderada pelo deputado Simão Ribeiro, de 31 anos.

c/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).