Abrantes | José Horta Quartet, um renovado quarteto poético apresenta-se na ESTA

José Horta Quartet apresenta novos temas na ESTA e passa a cinco elementos mantendo o nome e quarteto. Foto: DR

Quem conhece José Horta sabe que falamos de música. Juntamos a guitarra baixo de Ângelo Salvado, a bateria de Jorge Cordeiro e o piano de Paulo Reis e o grupo ganha forma. Acrescentamos poesia do músico e de autores abrantinos e temos o José Horta Quartet, que se apresenta com cinco elementos e novos temas, este sábado, dia 5 de outubro, no auditório da ESTA, em Abrantes, e que se estreou no palco da Escola Secundária Dr. Manuel Fernandes em 2018. Fomos conhecer este quarteto poético agora composto por cinco elementos falando com quem lhe dá nome e assume que a guitarra tem que ir na bagagem por mais pequena que seja a viagem.

PUB

A guitarra clássica estava lá, no palco da escola onde os alunos estão habituados a ver José Horta a solo junto do quadro a desempenhar a função que seguiu por opção, em detrimento da de músico profissional. O público que encheu o auditório naquela sexta-feira de maio de 2018 também o conhece sozinho no palco durante os recitais e entre os beijos e os abraços do final do concerto partilhava-se a surpresa deste se assumir como vocalista no novo projeto musical. O quarteto passa agora a quinteto, mantendo o nome original, e apresenta-se renovado e com novos temas este sábado, mas numa outra escola: a Escola Superior de Tecnologia de Abrantes.

José Horta no primeiro tema do concerto. Foto: mediotejo.net

Já lhe conheciam a voz, pontualmente, mas sempre o associaram às cordas que tem dedilhado pelo país e mundo fora. A par dos concertos, fez o mestrado no Instituto Politécnico de Castelo Branco e foi lecionando pelo Tramagal, Tomar, Leiria, Torres Novas e Golegã, entre outros locais.

PUB

No entanto, foi sobretudo na terra onde nasceu em 1961, o Pego, que encontrou a essência poética do José Horta Quartet. As palavras surgiram das pessoas com quem se cruza no dia-a-dia. Uns mais conhecidos, outros menos, mas todos com o dom de transformar a realidade em poesia.

As letras dos versos de Joaquina Tavares Varandas (Concavada), Arsénio Rosa (Pego) e Francisco Lopes (Pego) passaram a letras de temas como “Este coração que sente”, “Mestre José Ecologia” ou “Abismo”.

José Horta Quartet. Foto: mediotejo.net

As palavras de António Aleixo e as do próprio José Horta também foram acompanhadas pelas músicas compostas pelo músico em “Com os cegos me confundo” ou “Ai quem me dera”.

 

No futuro hão-de surgir as de José-Alberto Marques, que considera uma referência, e António Botto, anunciou, na ocasião, sem desvendar se serão apresentadas este sábado.

José Horta Quartet na estreia em palco. Foto: mediotejo.net

O José Horta Quarteto nasceu no início de 2018, depois do município ter desafiado o músico para os “Residentes” e o projeto não se vai ficar pela iniciativa que leva artistas do concelho aos palcos da cidade. O convite inicial foi para um recital de guitarra clássica, mas o “vício” assumido pela música falou mais alto e o pensamento inicial de apresentar as canções sozinho deu lugar ao desafio de fazer algo diferente acompanhado.

Os ensaios com Ângelo Salvado, Jorge Cordeiro e Paulo Reis – também eles docentes ligados à área da música – foram intercalados com o ensino e, a maioria, na garagem do ex-elemento dos Quinta do Bill que, em breve, dará lugar ao estúdio de gravação para a preparação do primeiro cd.

PUB

Os contactos estão feitos e não existe previsão para o lançamento, nem nome definido. O importante, acrescenta, é o projeto “ter alma” e quando surgir o quarteto poético assumirá a função de embaixador do concelho.

O músico e Francisco Lopes, um dos poetas. Foto: mediotejo.net

Uma responsabilidade apontada por José Horta, que associa a criação do grupo com a valorização “da cultura, poesia e música que se faz no concelho”, contrariando o “hábito de olhar só para longe”, muitas vezes esquecendo que o talento e a qualidade podem estar mesmo ali ao lado. Uma “homenagem” a todos aqueles que diz contribuírem para identidade abrantina através do que “criam”, as “pessoas boas, com coração, que fazem coisas interessantes”.

Cada tema é uma viagem, gera sentimentos díspares e exemplo disso foram os interpretados no encore, “Distância” (letra e música de José Horta) e, de novo, “Mestre José Ecologia” (letra de Arsénio Rosa e música de José Horta). O primeiro embala, o segundo quase abana. Acompanha-se o compasso marcado por um registo equilibrado que se aprecia num ambiente a meia luz como o criado no auditório da Escola Secundária Dr. Manuel Fernandes.

O momento dos aplausos. Foto: mediotejo.net

O docente de guitarra clássica e orquestra confirma esta sensação ao dizer que os temas que assina são uma forma de expressar os seus “estados de alma”. Parte da música para a letra e prefere compor em vez de escrever. O processo inverte-se quando falamos dos poemas criados por outros pois são as palavras que o transportam “para uma certa dimensão emocional” e o direcionam na composição da melodia. Em alguns casos, lembra, a música começou a surgir “no terceiro verso”.

Os mesmos ingredientes misturados de forma diferente de cada vez que se faz a “receita” do José Horta Quartet, igualmente única por incluir a guitarra baixo de Ângelo Salvado, a bateria de Jorge Cordeiro e o piano de Paulo Reis, a que se junta agora mais uma guitarra elétrica.

A guitarra de José Horta, essa também não pode faltar pois o músico diz que se vai de férias e não a leva “é um desassossego”, assim como a música, que potencia “emoções indescritíveis”, e o “amor” que José Horta diz colocar em tudo o que faz.

José Horta durante a entrevista. Foto: mediotejo.net

Partilhamos os temas que ouvimos no encore da estreia do José Quartet em palco:

*Entrevista publicada em maio de 2018, revista e atualizada em outubro de 2019

PUB

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here