“Abrantes integra primeira Rede Nacional de Cidades Criativas”, por Sónia Pedro

A primeira Rede Nacional de Cidades Criativas foi apresentada na passada semana na Livraria da Adega do Espaço Ó, em Óbidos. Este ecossistema criativo que se pretende de experimentação das políticas públicas na área da criatividade e inovação,  integra os municípios de pequena e média dimensão de Abrantes, Águeda, Aveiro, Caldas da Rainha, Castelo Branco, Évora, Fundão, Guimarães, Montemor-o-Novo, Óbidos, Penela, Pombal, São João da Madeira e Tavira.

PUB

O Programa Estratégico da Rede elaborado numa lógica de estratégia/ ação, além de identificar áreas temáticas a desenvolver, aventura dar exemplos de ações concretas que podem ser realizadas pelos parceiros. O Programa identifica seis plataformas de inovação/ segmentos de ação que devem ser objeto de trabalho da rede e dos seus parceiros, a saber:

“> Educação para a Criatividade e Inovação: Inclusão da educação criativa no programa das escolas, de reavaliação cientifico-pedagógica e desenvolvimento de atividades de educação criativa através das artes e sector cultural; conjunto de parcerias com a indústria e serviços para identificar e introduzir competências necessárias, preenchendo lacunas e aumentando os seus desempenhos;

PUB

> Empreendedorismo e Investimento de Base Criativa: Inclusão de atividades direcionadas ao apoio de sectores estratégicos e para aumentar as capacidades dos negócios criativos; desenvolvimento de mercados e encorajar a colaboração; identificação de investimentos-alvo e atividades tendo em vista o aumento da facilidade de investimento;

> Convergência Criativa: Inclusão de atividades que ligam negócios criativos a outros sectores para aumentar a inovação e desempenho em sectores como o turismo; investigação e projetos-piloto que liguem empreendedores criativos, especialistas em tecnologia através do papel de incubação das universidades;

PUB

> Participação Pública: Criação de um novo paradigma de gestão pública assente na participação dos cidadãos; ativação da comunidade para definição, solução e resolução de desafios da sociedade;

> Liderança Criativa: Atividades de desenvolvimento profissional para city-makers (executivos municipais e técnicos) – estruturadas sobre a forma de masterclass e formações;

> Talento e criatividade: Programas e ações de atração e desenvolvimento de talento e competências no setor criativo e tecnológico. Abordagens integradas de gestão do talento em territórios de baixa densidade.“ (Conforme o Programa Estratégico Rede de Cidades Criativas)

Além dos centros urbanos de grande dimensão

Experimentar, incrementar e disseminar as melhores práticas pelo território nacional é o compromisso desta rede que se estende um pouco por todo o país, deixando bem claro que as dinâmicas de desenvolvimento não podem cingir-se exclusivamente aos centros urbanos de grande dimensão.

A economia criativa é um dos setores em forte crescimento na cidade de Lisboa. Multiplicam-se os espaços e equipamentos criativos, as atividades artísticas e culturais, os serviços criativos, os processos colaborativos. Lisboa respira criatividade!

No cruzamento entre as dimensões económica, sociocultural e tecnológica, a inovação é potenciada pelas relações desenvolvidas entre os setores das industrias criativas e outras áreas de negócio. Depois há toda uma panóplia de eventos criativos, que dinamizam os diversos setores de atividade envolvidos e que proporcionam à classe criativa o estilo de vida urbano e cosmopolita que tanto as atrai.

No Porto, cabe à ADDICT – Creative Industries Portugal a gestão e dinamização do Cluster das Indústrias Criativas. O Cluster, com intervenção no Norte de Portugal, trabalha coletivamente para afirmação da região como um lugar empreendedor, criativo e dinâmico.

O Estudo Macroeconómico – Desenvolvimento de um Cluster de Indústrias Criativas na Região do Norte, de 2008, foi promovido pela Fundação de Serralves, em parceria com a Junta Metropolitana do Porto, a Casa da Música e a Sociedade de Reabilitação Urbana da Baixa Portuense e estabeleceu as bases da estratégia a adotar, assente na aposta numa nova geração, no aumento da capacidade do empreendedorismo criativo, no crescimento dos negócios criativos, e na atratividade dos lugares criativos.

Liderado pelo Município do Fundão, a primeira Rede de 14 Municípios de pequena e média dimensão vem assim assumir o seu papel de liderança nas dinâmicas da criatividade, através da construção de estratégias de criatividade e inovação para cada cidade.

O Programa Estratégico da Rede de Cidades Criativas pode ser consultado em http://www.cm-evora.pt/pt/site-municipio/Paginas/Rede-Cidades-Criativas.aspx.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here