Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Outubro 17, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Grupo de Teatro Palha de Abrantes com a “casa às costas”

“Com a Casa às Costas”, é assim que o Grupo de Teatro Palha de Abrantes partilhou a notícia no seu site de que está na iminência de abandonar a sede localizada no Edifício Carneiro devido às obras de requalificação. Ainda não existem espaços alternativos e a programação do primeiro trimestre de 2019 foi cancelada. Situação que Helena Bandos, presidente da associação cultural, encara “com mágoa” e na qual Luís Dias, vereador da Câmara Municipal de Abrantes, diz que a autarquia está a “trabalhar”.

- Publicidade -

O GTPA – Grupo de Teatro Palha de Abrantes teve diversas sedes desde a sua fundação, há vinte anos, sendo a mais recente no Edifício Carneiro, localizado na Rua de São Pedro. O mesmo espaço onde está prevista a construção do Museu de Arte Contemporânea Charters de Almeida (MAC) e cujo projeto de execução para lançamento do concurso foi aprovado pelo executivo da Câmara Municipal de Abrantes a 30 de maio de 2017.

Museu de Arte Contemporânea Charters de Almeida vai nascer da requalificação do Edifício Carneiro. Foto: mediotejo.net

- Publicidade -

A notícia da saída da sede – devido às obras de restauro, reabilitação, remodelação e ampliação que envolvem um investimento superior a dois milhões de euros – não era nova, mas tornou-se iminente e o grupo de teatro já se encontra a preparar a mudança para local incerto uma vez que ainda não está definido um novo espaço.

Informação confirmada na tarde desta terça-feira pela presidente do GTPA, Helena Bandos, e o vereador da Câmara Municipal de Abrantes, Luís Dias, ambos contactados pelo mediotejo.net.

Sede do GTPA no Edifício Carneiro (interior). Foto: mediotejo.net

Helena Bandos refere que a situação está a ser encarada “com muita mágoa” devido ao “empenho” que o grupo dedicou ao espaço, destacando que está a ser feito um esforço conjunto (do grupo e da autarquia) para encontrar soluções. A mesma acrescenta que “acabámos por aceitar” e, neste momento, “vamos aguardar que melhores dias venham”.

Segundo a presidente do GTPA, está previsto um contacto em breve por parte do município para apresentar uma possível solução. Contacto esse que não nos foi confirmado pelo vereador Luís Dias, tendo o mesmo respondido que a câmara está a articular “alternativas adequadas” de forma individual com todas as entidades atualmente sediadas no Edifício Carneiro.

Quanto à resolução deste impasse, o mesmo acrescentou que “é para breve e estamos a trabalhar nisso”, não existindo data concreta para a saída definitiva do edifício. No entanto, o vereador com o pelouro da Cultura não prestou comentários quando questionado se o GTPA e as outras entidades correm o risco de ficar para onde ir caso tenham de sair antes de serem encontrados espaços adequados.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome