Abrantes: Francisca Gomes vence Festival do Fado do Alto Alentejo

Francisca Gomes, de Abrantes, com 17 anos, venceu a Iª edição de Festival do Fado (FestFado) do Alto Alentejo, evento que decorreu em Ponte de Sor durante os últimos 6 meses e que teve a Gala Final na sexta-feira, 22 de julho.

PUB

O I Festival do Fado Alto Alentejo, que valeu a Francisca Gomes gravar um disco com o selo de garantia de Custódio Castelo, (compositor, guitarrista e presidente do júri), começou em fevereiro em Ponte de Sôr, uma iniciativa que contou com a abrantina Dora Maria como fadista anfitriã e diretora artística de um festival que envolveu a participação de concorrentes de todo o país e fadistas profissionais consagrados, convidados a atuar nas seis sessões de seleção dos finalistas.

Francisca Gomes, que se estreou aos 7 anos num concurso de jovens artistas na SIC, tem atuado em festas de verão e em diversas casas de fado de Santarém e Lisboa, tendo sido uma das cinco vozes apuradas no casting “Vozes de Abrantes”, realizado no dia 13 de maio, no auditório da Biblioteca Municipal António Botto, e que lhe valeu o direito de atuar no concerto realizado na Praça Barão da Batalha, integrado no programa das Festas de Abrantes 2016, ano em que se comemora o centenário da cidade.

PUB

A fadista Dora Maria e os músicos Pedro Amendoeira, na guitarra portuguesa, João Chora, na viola, e Fernando Maia, na viola baixo, foram os artistas residentes num festival dedicado à canção nacional, que contou com seis espetáculos e um concurso para promover “novas vozes”.

A primeira edição do Festival do Fado do Alto Alentejo foi promovida pelo Elétrico Futebol Clube, de Ponte de Sor, no distrito de Portalegre, com o apoio do município.

PUB
PUB
Mário Rui Fonseca
A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).