Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Segunda-feira, Junho 14, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Escuteiros e autarquia de mãos dadas na sensibilização e preservação ambiental (c/VIDEO)

Para assinalar o Dia Mundial do Ambiente, que se comemorou este sábado, dia 5 de junho, a Câmara Municipal de Abrantes convidou os agrupamentos de escuteiros de Abrantes para a plantação de 50 árvores autóctones na envolvente da Cidade Desportiva, iniciativa que contou ainda com o apoio de técnicos do ambiente da autarquia.

- Publicidade -

As 50 árvores (medronheiros e carvalhos), espécies autóctones e características dos bosques e matas da região, foram cedidas ao município de Abrantes pelo movimento “Terra de Esperança” e foram plantadas na manhã de sábado em espaços disponíveis na zonas envolventes às piscinas municipais de Abrantes e ao campo de basebol, num dia em que assinalaram também os 20 anos sobre a inauguração do Estádio Municipal de Abrantes.

O responsável pela pasta do Ambiente do Conselho Regional de Escuteiros da Diocese Portalegre-Castelo Branco, Rui Antunes, também chefe no Agrupamento de 273 de Tramagal, destacou ao mediotejo.net a atenção dos escuteiros mais experientes às causas ambientais e a envolvência e interesse dos mais jovens nesta causa comum e cada vez mais atual, tendo feito notar a satisfação dos jovens escutas em participar nesta ação. 

- Publicidade -

Na ocasião, perante os cerca de 30 escuteiros (cinco elementos de cada agrupamento), o presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos, destacou a importância de termos uma floresta organizada porque “o território do nosso concelho tem muita floresta e quando chega a esta altura do ano ficamos sempre muito preocupados com os incêndios, temos que plantar árvores de forma organizada e estruturada de forma a criar as melhores condições para termos uma boa floresta”.

Presidente da Câmara de Abrantes apelou aos jovens para o apoio à sensibilização e cuidados ambientais. Foto: mediotejo.net

Por outro lado, no final da plantação das árvores, o autarca dirigiu-se a todos os escuteiros presentes tendo procurado sensibilizar para a importância do passar a palavra e do reflexo positivo das boas atitudes ambientais, seja ao nível da floresta, onde apontou para uma descarga de resíduos de construção civil a céu aberto, seja ao nível da água, e também nos atos do dia a dia, exemplificando com a importância de um simples gesto como é o de despejo de lixo em contentor e com os cuidados a ter com os respetivos procedimentos. 

VIDEO: Entrevista e reportagem com escuteiros e presidente CM Abrantes:

Participaram na iniciativa os seis agrupamentos de escuteiros de Abrantes, nomeadamente o Agrupamento 172 do CNE – Abrantes, o Agrupamento 1053 do CNE – Alferrarede, Agrupamento 1093 do CNE – Chainça, Agrupamento 193 do CNE – Mouriscas, Agrupamento 697 do CNE – Rossio ao Sul do Tejo, e o Agrupamento 273 do CNE – Tramagal, sendo a ação coordenada pela autarquia em parceria com o responsável pela pasta do Ambiente do Conselho Regional de Escuteiros da Diocese Portalegre-Castelo Branco, Rui Antunes, também chefe no Agrupamento de 273 de Tramagal.

Escuteiros na linha da frente da sensibilização e preservação ambiental. Foto: mediotejo.net

O movimento “Terra de Esperança” foi criado pela Fundação Galp e a ANEFA – Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente como forma de trazer uma nova esperança à terra devastada pelos fogos que deflagraram no verão de 2017, um pouco por todo o país.

No âmbito desta iniciativa, já foram plantadas, em concelhos de norte a sul do país, mais de 280.000 árvores, uma área que corresponde a mais de 300 campos de futebol.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome