Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Escolas do concelho em destaque no concurso “Separa e Ganha”

Na sequência da adesão por um conjunto de escolas do concelho de Abrantes ao concurso “Separa e Ganha”, integrado no Programa Ecovalor, a VALNOR anunciou a recolha, entre todas, de cerca de 11 toneladas de embalagens de plástico e de metal e de 35 toneladas de papel/cartão, o que perfez um valor total de 2.412€, que será entregue às escolas que angariaram material para reciclagem. Segundo a VALNOR, de todas as escolas participantes o Centro Escolar de Chainça foi o que obteve melhor desempenho.

- Publicidade -

Durante o ano letivo 2018/2019, inscreveram-se as seguintes escolas: Escola Básica de Chainça; Escola Básica do Pego; Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Fernandes; Escola Básica e Jardim de Infância António Torrado e Jardim de Infância Escola João de Deus – Tramagal.

O presidente da Câmara felicitou na última reunião de executivo as escolas que participaram e agradeceu às respetivas comunidades escolares o empenho na construção de um mundo melhor a partir da escola.

- Publicidade -

“Esta ação foi um verdadeiro sucesso e estamos convictos que assim se conseguem obter bons hábitos de separação multimaterial nas escolas e junto das famílias”, disse Manuel Jorge Valamatos.

O concurso “Separa e Ganha” terá continuidade no próximo ano letivo de 2019/2020, pelo que a CM de Abrantes irá sensibilizar os Agrupamentos para que a comunidade escolar se mantenha ativa nesta campanha.

A iniciativa pretende contribuir para aumentar as quantidades de plástico, metal, pacotes de bebida, papel e cartão encaminhados para reciclagem e sensibilizar a comunidade escolar, as famílias e a comunidade envolvente para a correta utilização dos contentores amarelo e azul.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome