Abrantes | ‘Entre Nós e as Palavras’ na Biblioteca Municipal com João Pinto Coelho

'Entre Nós e as Palavras' na Biblioteca Municipal de Abrantes esta quinta-feira com João Pinto Coelho. Foto: DR

No âmbito da iniciativa ‘Entre Nós e as Palavras’ na Biblioteca Municipal António Botto, o escritor João Pinto Coelho apresenta esta quinta-feira, 27 de fevereiro, às 21h30, o seu livro ‘Perguntem a Sarah Gross’. A apresentação fica a cargo da abrantina Alexandra Simão. Um romance sobre a realidade das comunidades judaicas polacas no período que antecedeu a 2.ª Guerra Mundial.

PUB

Em 1968, Kimberly Parker, uma jovem professora de Literatura, atravessa os Estados Unidos para ir ensinar no colégio mais elitista da Nova Inglaterra, dirigido por uma mulher carismática e misteriosa chamada Sarah Gross.

Foge de um segredo terrível e procura em St. Oswald’s a paz possível com a companhia da exuberante Miranda, o encanto e a sensibilidade de Clement e sobretudo a cumplicidade de Sarah. Mas a verdade persegue Kimberly até ali e, no dia em que toma a decisão que a poderia salvar, uma tragédia abala inesperadamente a instituição centenária, abrindo as portas a um passado avassalador. Nos corredores da universidade ou no apertado gueto de Cracóvia; à sombra dos choupos de Birkenau ou pelas ruas de Auschwitz quando ainda era uma cidade feliz, Kimberly mergulha numa história brutal de dor e sobrevivência para a qual ninguém a preparou.

PUB

O livro é considerado “rigoroso, imaginativo e profundamente cinematográfico, com diálogos magistrais e personagens inesquecíveis”. ‘Perguntem a Sarah Gross’ apresenta-se como “um romance trepidante que nos dá a conhecer a cidade que se tornou o mais famoso campo de extermínio da História”. A obra foi finalista do prémio LeYa em 2014.

Sobre o autor:

PUB

João Pinto Coelho nasceu em Londres em 1967. Licenciou-se em Arquitetura em 1992 e viveu a maior parte da sua vida em Lisboa. Passou diversas temporadas nos Estados Unidos, onde chegou a trabalhar num teatro profissional perto de Nova Iorque e dos cenários que evoca neste romance. Em 2009 e 2011 integrou duas ações do Conselho da Europa que tiveram lugar em Auschwitz (Oswiécim), na Polónia, trabalhando de perto com diversos investigadores sobre o Holocausto. No mesmo período, concebeu e implementou o projeto ‘Auschwitz in 1st Per-son/A Letter to Meir Berkovich’, que juntou jovens portugueses e polacos e que o levou uma vez mais à Polónia, às ruas de Oswiécim e aos campos de concentração e extermínio. A esse propósito tem realizado diversas intervenções públicas, uma das quais, como orador, na conferência internacional Portugal e o Holocausto, que teve lugar na Fundação Calouste Gulbenkian. Em 2012 publica Perguntem a Sarah Gross, o seu primeiro romance. O seu romance seguinte ‘Os Loucos da Rua Mazur’ foi o vencedor do prémio LeYa 2017.

Uma iniciativa dirigida ao público em geral, com entrada livre.

 

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here