Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Setembro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Dedilhar de Tó Trips conjugou-se com o filme ‘Surdina’ no arranque do Caminhos Literários (c/vídeo)

Com lotação esgotada, o Polidesportivo Rogério Ribeiro (ringue da Rua de Angola), em Abrantes, recebeu na noite de 5 de agosto o músico Tó Trips num cine-concerto. O guitarrista atuou de forma a acompanhar a projeção do filme “Surdina” – cuja banda sonora é o seu mais recente trabalho – naquele que foi o pontapé de saída do Caminhos Literários, “projeto altamente singular” e “com uma programação cultural em rede com uma dinâmica única”, conforme disse ao mediotejo.net Luís Dias, vereador da Cultura do município de Abrantes.

- Publicidade -

Através do convite de Rodrigo Areias, realizador do filme “Surdina”, Tó Trips tem andado a percorrer o país com este cine-concerto, onde o seu dedilhar proporciona a sonoridade necessária para completar em pleno a experiência de visualização desta película.

Nesta que não foi a sua primeira vez em Abrantes, uma vez que já tinha atuado com os Dead Combo por duas ocasiões na cidade abrantina, Tó Trips teve casa, ou melhor, ringue cheio para o ouvir a acompanhar o filme “Surdina”, uma “tragicomédia minhota” que acompanha a história de Isac, um homem já envelhecido que vive num espaço rural, que descobre que o povo anda a dizer que a sua (suposta) falecida mulher foi vista na feira. Entristecido e negando tal facto, Isac procura distanciar-se de tudo e todos, mas os seus amigos insistem para não ligar ao que o povo diz e para arranjar uma nova mulher. São assim abordados temas como o envelhecimento, o amor, a mágoa das memórias passadas e da saudade, e o que ainda resta para sonhar, temas sempre embrenhados com o mundo rural e popular.

- Publicidade -

Tó Trips tocou partes da banda sonora do filme “Surdina”, em Abrantes. Créditos: CMA

O disco da banda sonora do filme, que ficou a cargo de Tó Trips, está disponível na plataforma Spotify.

Tó Trips explicou ao mediotejo.net que a diferença entre o cine-concerto e a banda sonora original se prende com o facto de a banda sonora ter mais instrumentos (piano, contrabaixo, bateria), enquanto que na atuação, ao tocar sozinho, tocou apenas a versão da guitarra, o “esqueleto da banda sonora”, uma vez que a compôs em guitarra.

Depois dos Dead Combo, Tó Trips apresentou-se a solo em Abrantes para apresentar o seu mais recente trabalho, a banda sonora do filme “Surdina”. Foto arquivo: mediotejo.net

O músico disse ainda que é diferente fazer um cine-concerto de um filme sonoro ao invés de o fazer com um filme mudo: “Filmes mudos já fiz imensos, mas este é um filme sonoro, ou seja a banda sonora só entra em algumas partes, tem essa diferença. Quando é um filme mudo tocamos do início ao fim, neste caso toco só em algumas partes”.

Tó Trips, e uma vez que até teve a sua atuação com lotação esgotada, considera que as pessoas do país inteiro estão desejosas de ir a eventos culturais, afirmando que “é importante que aconteçam estes eventos, seja música, teatro ou dança, pois a cultura é segura”.

“As pessoas também precisam de saúde mental e a cultura é uma das coisas que faz parte do bem-estar das pessoas”, disse o guitarrista.

O público aderiu à iniciativa de um cine-concerto em Abrantes Créditos: mediotejo.net

O vereador abrantino Luís Dias – que começou por enaltecer a qualidade do músico Tó Trips, “um intérprete extraordinário, alguém único na arte do dedilhar”, representada na sua atuação num “lugar improvável no centro de Abrantes” – vai de encontro a esta ideia.

“A cultura é tudo aquilo que vai passando e vai ficando, e aquilo que nós sentimos ao longo dos últimos meses é esta avidez que as pessoas têm por estas formas diferenciadoras de entretenimento, as pessoas querem continuar a ter espetáculos e a perceber que a cultura pode acontecer em qualquer lugar e que acontece em segurança, com ‘proximidade’ e sobretudo com a qualidade que pretendemos dar a estes projetos”, afirmou o vereador do município de Abrantes responsável pela pasta da cultura.

O Polidesportivo Rogério Ribeiro (ringue da Rua de Angola), viu a sua lotação esgotada para este cine-concerto que marcou o arranque da iniciativa Caminhos Literários. Créditos: CMA

Luís Dias relembrou ainda que este foi o “pontapé de saída” do projeto Caminhos Literários, um projeto intermunicipal que envolve os municípios de Abrantes, Constância e Sardoal e que vai trazer vários espetáculos de música, artes visuais e cinema documental, entre outros, que prometem animar as noites e as tardes dos próximos meses.

“Pretendemos exatamente trazer atratividade com projetos diferenciadores para o nosso território, e é mesmo isso que os Caminhos Literários pretendem fazer, com uma programação cultural em rede, com uma dinâmica única e um projeto altamente singular, que tem sido reconhecido por isso, e que oxalá continue a funcionar como aqui nesta noite, que foi espetacular”, rematou o autarca. 

NOTÍCIA RELACIONADA

Médio Tejo | Abrantes e Constância ligados este mês através dos ‘Caminhos Literários’

Licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade da Beira Interior. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo. Ávido leitor, não dispensa no entanto um bom filme e um bom serão na companhia dos amigos.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome