Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Setembro 19, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | CTT comprometem-se a reforçar recursos humanos após reunião com autarquia

Serão já mais de 100 mil os objetos depositados no centro de distribuição postal de Abrantes – onde também se concentra o correio a entregar nos concelhos de Constância, Sardoal e Gavião –, denuncia o Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações. Reivindicando reforços de pessoal “há vários anos”, os carteiros Abrantes vão manter-se em greve durante 2 horas por dia, até 23 de julho.

- Publicidade -

Com o agudizar do problema, o presidente da Câmara Municipal de Abrantes reuniu, esta segunda-feira, 5 de julho, com o Diretor de Operações de Transporte e Distribuição dos CTT, Nuno Marques Neves, a quem transmitiu os problemas que têm vindo a ocorrer no concelho de Abrantes, nomeadamente a demora na distribuição do correio, não só na área urbana, mas com grande incidência nas freguesias rurais, causando grandes transtornos à população.

O responsável dos CTT comprometeu-se a fazer um reforço com mais recursos humanos, para que nas próximas semanas a situação esteja regularizada, e informou que estão a tomar medidas para minimizar os respetivos atrasos na entrega da correspondência.

- Publicidade -

Manuel Jorge Valamatos recebeu também um grupo de trabalhadores e representantes do SNTCT – Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações, para ouvir as suas reivindicações.

O problema dos atrasos na entrega de correspondência, disse, foi algo que sempre “nos preocupou imenso”, pelo que o município tem vindo a desenvolver “todos os esforços no sentido de que esta situação seja resolvida com a maior brevidade possível” e que “as dificuldades que têm vindo a ser sentidas pelas populações, nomeadamente na distribuição e na qualidade deste serviço postal, sejam ultrapassadas”.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome