- Publicidade -

Terça-feira, Dezembro 7, 2021
- Publicidade -

Abrantes | Crianças substituem Pai Natal e escrevem ‘Cartas para os Avós’

No Natal de 2020, os alunos do Centro Escolar de Bemposta, em Abrantes, escrevem cartas como nunca, mas nem todas endereçadas ao Pai Natal. Devido à situação de solidão em que as medidas sanitárias para contenção da pandemia de covid-19 colocaram os mais velhos, as crianças decidiram escrever ‘Cartas para os Avós’.

- Publicidade -

Na verdade, uma “ideia e proposta das mães” dos alunos, informa a Associação de Pais, as cartas este ano “serão enviadas aos muitos idosos dos lares e instituições de apoio de São Facundo, Bemposta e Vale das Mós – ‘avôs’ e ‘avós’ que todas as crianças adotaram – e que, depois de longos meses de isolamento dos seus familiares, se vêm na contingência de passar o Natal sem a tradicional reunião familiar”.

Alunos do Centro Escolar de Bemposta escrevem ‘Cartas aos Avós’ neste Natal. Créditos: DR

- Publicidade -

Enquanto as crianças da escola escrevem e ilustram as muitas cartas a enviar, a Associação de Pais (que agora é principalmente constituída por mães) tratou de listar todos os destinatários. A entrega das Cartas será da responsabilidade das Juntas de Freguesia daquelas localidades que apoiam a iniciativa.

“Um gesto simples, mas que pode trazer um calorzinho à solidão tão pouco comum nesta quadra” nota a Associação de Pais do Centro Escolar de Bemposta.

Alunos do Centro Escolar de Bemposta escrevem ‘Cartas aos Avós’ neste Natal. Créditos: DR

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome