Abrantes | Creme de barrar vegan vence segunda edição do Food Fab Lab

Anúncio dos vencedores da segunda edição do concurso Food Fab Lab

A segunda edição do Prémio Food Fab Lab, dinamizado pelo Tagusvalley – Parque Tecnológico do Vale do Tejo -, instalado em Abrantes, atribuiu galardões a quatro produtos alimentares concorrentes. Tal como na primeira edição, além o primeiro prémio, os galardões foram atribuídos nas categorias de Inovação, Potencial de Mercado e Degustação. Os vencedores foram conhecidos na sexta-feira.

PUB

O prémio ‘Food Fab Lab’ foi atribuído ao Veganchee Creme de Barrar. Enquanto a Tablete Crua de Alfarroba foi distinguido na categoria ‘Inovação’, o Queijinho D’Arronches na categoria ‘Potencial de Mercado’, e as Broas de Batata Doce premiado na categoria ‘Degustação’.

Vinda de Glória do Ribatejo, a Veganchee apresenta-se como uma marca instalada no mercado de produtos vegetarianos. O Creme de Barrar vencedor é “um produto pro-biótico de caju e algas portuguesas da zona de Aveiro”, explicou ao mediotejo.net Mónica Venda, responsável pela marca.

PUB

O projeto surgiu “por uma questão de saúde. Perceber que tinha de abandonar os produtos de origem animal” contou. E para a sua marca surgiram em primeiro lugar “os queijinhos de sésamo, que não são queijos porque não têm leite, depois iogurtes vegetais e agora estes cremes de barrar”, onde se inclui o produto premiado pelo júri da segunda edição do Prémio Food Fab Lab.

A razão e levar um produto já comercializado prende-se “com o reconhecimento”, explicou Mónica. “Quando o nosso produto vai a um concurso e vence, é um reconhecimento muito importante para nós, que nos ajuda, tal como o prémio”, diz.

Até porque um produto premiado reforça a confiança do consumidor. Em termos comerciais “é sempre uma garantia que aquele produto foi provado e testado por alguém com competências na área e é premiado”, disse Mónica Venda, que dedica a sua vida profissional a 100% a uma marca bem aceite pelo público.

“Cada vez mais existem pessoas disponíveis para este tipo de alimentação” sendo exigente da parte de quem produz por se tratar de produtos “completamente diferentes”, sem quaisquer aditivos químicos como cor ou aroma.

Anúncio dos vencedores da segunda edição do concurso Food Fab Lab

Pedro António concorreu ao Food Fab Lab graças a uma amiga que conhecia a Broa de Batata Doce vendida no estabelecimento comercial da sua família no centro histórico de Abrantes. “É uma especialidade nossa que nasceu há dois anos, agarrando na base da broa fervida inovando com batata doce”, explica.

PUB

Da parte do consumidor a adesão à novidade “tem sido muito boa”. Decidiu concorrer no sentido “de obter alguma informação e crítica” com o objetivo de melhorar. O prémio ‘Degustação’ apresentou-se como uma “surpresa” mas “sabe bem porque funciona como um comprovativo de qualidade” indicando “um caminho que podemos seguir” preparando-se para lançar na confeitaria Palha de Abrantes a broa de mel e noz com abóbora, que na verdade “já está a ser testada”, refere.

Vasco Lubet e Sara Oliveira são os responsáveis pela Tablet Crua de Alfarroba. Produzem “crua porque é trabalhada a baixas temperaturas”, explica Sara com o objetivo de “preservar o máximo de nutrientes possível”. No fundo, “é um chocolate mas feito a partir da alfarroba, que sabe a chocolate mas tem o toque do ingrediente que quisemos destacar, um ingrediente nacional, e com um valor nutricional muito elevado”.

O objetivo, ao concorrer ao Food Fab Lab, passou, tal como aconteceu aos premiados presentes, “pela obtenção de uma avaliação de um júri especializado, a crítica de quem sabe do que está a falar”, referiu Vasco.

A aceitação do chocolate de alfarroba, que venceu na categoria ‘Inovação’ “tem sido muito positiva e cada vez mais o consumidor está sensibilizado e recetivo para um produto de qualidade com certificação biológica, com baixo teor de açúcar”. Tendo o produto premiado como base, a marca Casa do Bosque, de Santarém, conta como mais “seis referências, com alguns sabores como a avelã, o cânhamo ou o figo”.

O vencedor na categoria ‘Potencial de Mercado’ não compareceu à entrega dos prémios que ocorreu na sexta-feira, 26 de outubro, durante a XVII Feira Nacional de Doçaria Tradicional, em Abrantes, entregues pela mão da presidente da Câmara Municipal, Maria do Céu Albuquerque.

O júri da segunda edição do Prémio Food Fab Lab, dinamizado pelo Tagusvalley – Parque Tecnológico do Vale do Tejo – definiu no dia 13 de outubro os prémios a atribuir a quatro produtos alimentares concorrentes.

A segunda edição do Prémio contou com 15 inscrições de todo o país e uma do Brasil.
Os promotores dos produtos premiados recebem 2800 euros, no caso do Prémio Food Fab Lab, e 1500 euros cada no caso dos restantes prémios, em serviços do Tagusvalley para acesso à utilização do Food Fab Lab.

Food Fab Lab é um espaço pré-licenciado de uso partilhado para a produção de produtos alimentares, apoio técnico nas áreas do licenciamento, rotulagem, obrigações legais, processo produtivo, uma análise sensorial de aceitação, uma análise sensorial de preferência e acompanhamento no desenvolvimento do modelo de negócio.

PUB

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here