Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Julho 29, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes: CLDS 3G assume-se como “máquina dinamizadora da comunidade”

“Empregar, intervir e capacitar”: é este o lema da equipa que compõe o projeto de desenvolvimento social CLDS 3G de Abrantes junto da população do concelho para os próximos três anos e mais além.

- Publicidade -

À semelhança de outros municípios do Médio Tejo, como Vila de Rei, Sardoal ou Ourém, também em Abrantes vai decorrer o CLDS 3G, um contrato local de desenvolvimento social que tem como objetivo promover a inclusão social dos cidadãos e que será gerido pelo CRIA – Centro de Recuperação e Integração de Abrantes.

Segundo Paula Henriques, coordenadora técnica do projeto em Abrantes, “o CLDS 3G surgiu pela necessidade demonstrada por vários parceiros e a Rede Social fez um plano de atividades que vamos trabalhar durante 3 anos, com mais de 20 atividades programadas específicas para todo o concelho”.

- Publicidade -

O CLDS 3G tem três eixos de intervenção (Eixo 1: emprego, formação e qualificação; Eixo 2: intervenção familiar e parental, preventiva da pobreza infantil; Eixo 3: capacitação da comunidade e das instituições) em que o objetivo fundamental é a capacitação dos agentes de desenvolvimento local do concelho de Abrantes.

A equipa que compõe o CLDS 3G de Abrantes é jovem e multidisciplinar, são cinco técnicas de áreas diversas que terão como missão responder às necessidades detetadas ao nível dos eixos de intervenção do projeto: Paula Henriques (coordenadora), Daniela Rebeca (animadora sociocultural), Natália Dias (psicóloga clínica), Sónia Paulino (economista) e Vânia Alegre (assistente social).

“É um projeto muito importante para o concelho porque remete para várias realidades em termos de necessidades da comunidade. A finalidade é promover a inclusão social dos cidadãos através das parcerias que temos”, explica Paula Henriques remetendo para o lema da equipa: empregar, intervir e capacitar.

abrantes_feira emprego e empreendedorismo
A 1ª Feira do Emprego e Empreendedorismo de Abrantes foi uma das primeiras iniciativas com mais impacto junto da comunidade do CLDS 3G de Abrantes, gerido pelo CRIA

O CLDS 3G destina-se a toda a população, desde empresários, a desempregados, população idosa mais isolada, pais e famílias, população ativa, beneficiários do RSI, população portadora de deficiência e/ou incapacidade, dirigentes e quadros associativos, voluntários e instituições/associações locais.

Com funções iniciadas a 2 de novembro de 2015, foram já diversas as atividades desenvolvidas por esta equipa, sendo que a 1ª Feira do Emprego e Empreendedorismo de Abrantes, que se realizou nos dias 4 e 5 de dezembro passado, foi a atividade que tiveram dentro do programa e que teve mais impacto junto da população.

Nesta Feira, foram lançados dois serviços que o CRIA, através do CLDS 3G, presta à população do concelho de Abrantes: o Gabinete de Apoio ao Emprego e o Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família.

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

O Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família desenvolve-se em parceria com os Agrupamentos de Escolas do Concelho de Abrantes e a Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes (EPDRA) em que o objetivo é combater o abandono e absentismo escolar, o insucesso escolar, comportamentos de indisciplina, dificuldades de aprendizagem, dificuldades de integração em meio escolar, situações de risco ou perigo, entre outras.

De acordo com a psicóloga Natália Dias, “foi já feito um levantamento das necessidades dos dois agrupamentos e da EPDRA, em que vamos tentar dar mais horas a esta última uma vez que não dispõe de psicólogos”.

Nos dois agrupamentos de escolas, ao nível da psicologia, “vai ser feita avaliação psicológica dos alunos, em parceria com as duas psicólogas dos agrupamentos de escolas, o nosso objetivo no Gabinete é ir de encontro às necessidades de cada Agrupamento”, salienta Natália Dias.

“Sabemos que o número de alunos por psicólogo nos agrupamentos de escolas é muito elevado, constata-se a ausência de técnicos especializados nesta área e a nossa intervenção, apesar de não ser tão abrangente, vai ser tentar fazer um trabalho de qualidade com os jovens sinalizados”, explica a psicóloga clínica.

“Quando for necessário fazer um acompanhamento individual, será feito fora do espaço escolar e para isso temos parcerias com as juntas de freguesia que nos vão disponibilizar espaços para este efeito”, salientou Natália Dias.

A equipa técnica do CLDS 3G de Abrantes: (da esq. para direita) Sónia Paulino, Natália Dias, Paula Henriques, Daniela Rebeca e Vânia Alegre
A equipa técnica do CLDS 3G de Abrantes: (da esq. para direita) Sónia Paulino, Natália Dias, Paula Henriques, Daniela Rebeca e Vânia Alegre

Com o Agrupamento nº 2, a pedido da Direção, “vamos fazer uma avaliação precoce das dificuldades ao nível da leitura e da escrita nas crianças para uma intervenção precoce em que será feita uma avaliação individual a cada aluno para constatar as dificuldades e, em caso de necessidade de terapia da fala, será encaminhado para esse serviço”, avançou Natália Dias.

Paula Henriques salienta que “não queremos sobrepor tarefas de associações que já existem, queremos trabalhar em rede. Mesmo havendo respostas, sabemos que existem necessidades e queremos trabalhar em rede, sempre de acordo com a necessidade de cada agrupamento de escolas”.

No âmbito do Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família, a orientação vocacional para os jovens será feita em parceria com o Gabinete de Apoio ao Emprego” para aqueles jovens que não querem prosseguir estudos e querem entrar no mercado de trabalho”, explica Natália Dias.

Clube dos Vizinhos Solidários

O Clube dos Vizinhos Solidários é outro dos projetos que integra a lista de mais de 20 atividades que o CLDS 3G vai desenvolver no concelho de Abrantes nos próximos 3 anos e que tem como objetivo encontrar vizinhos que possam prestar apoio a idosos dependentes.

“Este projeto está a iniciar agora com o trabalho de identificação dos vizinhos em que a ideia é disponibilizar tempo para ajudar e prestar apoio a idosos mais isolados, como por exemplo, trocar uma lâmpada, fazer limpeza, uma espécie de Banco do Tempo em que os laços afetivos dos vizinhos são importantes, antigamente isso existia muito e hoje é raro e é uma grande necessidade, especialmente para os idosos isolados”, explicou Paula Henriques.

Os interessados em integrar este projeto e prestar apoio aos idosos podem inscrever-se no CRIA ou nas juntas de freguesia do concelho. A partir das pessoas inscritas, o CRIA fará uma base de dados que irá utilizar sempre de acordo com as necessidades. De acordo com a técnica Sónia Paulino, “S. Miguel do Rio Torto necessita muito deste serviço, conforme já nos indicou o presidente da Junta de Freguesia”.

Revitalização das associações locais

No Eixo 3, o CLDS 3G vai apoiar a criação e revitalização das associações locais assinaladas pelas juntas de freguesia que necessitam de apoio para “ganhar vida”.

Neste âmbito, Paula Henriques salienta que “já verificámos que há muitas associações que estão inativas e agora estamos na fase de levantamento das necessidades dessas associações para depois podermos atuar”.

Noutro plano de ação, o CRIA tem programada a realização de uma formação, com inscrição gratuita, que se destina a todos aqueles que são cuidadores informais de pessoas idosas e/ou com deficiência/incapacidade, sejam familiares, amigos ou vizinhos.

Ainda sem data e local marcado, os interessados em frequentar esta ação de formação podem fazer a sua inscrição no CRIA.

As atividades do CLDS 3G vão desenvolver-se no concelho de Abrantes nos próximos três anos e, segundo a psicóloga Natália Dias, “vamos atuar no presente a pensar no futuro”.

Com uma verba de cerca de 438 mil euros para três anos, o CLDS 3G para o concelho de Abrantes foi “um dos CLDS melhor pontuado a nível nacional, em termos de apresentação de candidatura, com 87% de taxa de aprovação do projeto”.

“Queremos cumprir com o nosso plano de atividades previstas, ir mais além e chegar a outras situações”, conclui a coordenadora técnica, Paula Henriques.

Entrou no mundo do jornalismo há cerca de 13 anos pelo gosto de informar o público sobre o que acontece e dar a conhecer histórias e projetos interessantes. Acredita numa sociedade informada e com valores. Tem 35 anos, já plantou uma árvore e tem três filhos. Só lhe falta escrever um livro.

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome