Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Outubro 20, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Centro de Marcha e Corrida para orientar caminhadas na cidade

O novo Centro Municipal de Marcha e Corrida de Abrantes, inaugurado no passado sábado e instalado na Cidade Desportiva, foi a reunião de Câmara Municipal, esta terça-feira 18 de setembro.

- Publicidade -

O vereador Luís Dias deu conta ao Executivo deste novo instrumento de apoio aos praticantes destas atividades desportivas, apresentando-o como um Programa Nacional promovido pela Federação Portuguesa de Atletismo que “vem legitimar e orientar os percursos de caminhadas na cidade”. São quatro os definidos que agora terão orientação específica, explicou ao mediotejo.net o vereador socialista responsável pelo pelouro do Desporto.

O Centro de Marcha e Corrida, instalado no Estádio Municipal de Abrantes, presta apoio, desde sábado, a todos os interessados na prática de atividades de caminhada e corrida que praticam regularmente de forma não orientada e desejam ser aconselhados para potenciar o seu treino.

- Publicidade -

“Há muita gente a caminhar e a correr sem uma orientação técnica adequada o que pode por em causa a saúde” referiu o vereador. Ora o Centro veio colmatar essa lacuna oferecendo “às segundas e quartas-feiras, das 18h00 às 19h00, quatro percursos especializados, por agora”, acrescentou. Pretende-se que o caminhante “possa ter uma orientação prévia por parte de um técnico especializado que é devidamente homologada pelo Programa de Marcha e Corrida”. O Programa permitiu aos técnicos do Município receberem formação para avaliação dos níveis de condição física dos cidadãos.

Este Centro dispõe de quatro percursos com distâncias entre os 5 e 8,5 quilómetros, para fazer face aos objetivos dos praticantes: Parque Urbano; S. Lourenço; Castelo de Abrantes e Alto da Chainça. E junta-se aos já existentes no distrito de Santarém, nomeadamente em Alcanena, Coruche, Entroncamento, Ourém e Torres Novas.

Reunião da Câmara Municipal de Abrantes

“Os quatro percursos definidos, encontram-se devidamente afixados numa tela na Cidade Desportiva e serão comunicados nos próximos dias. Haverá uma segunda fase que é a marcação dos percursos e depois a tentativa de alargamento a outras localidades do concelho” referiu.

A nova oferta desportiva está inserida no Programa Nacional de Marcha e Corrida, iniciativa conjunta do Instituto Português de Desporto e Juventude e da Federação Portuguesa de Atletismo e configura-se como uma aliada para promover a prática do exercício físico e o bem estar físico, combatendo problemas associados à inatividade física das populações e ao sedentarismo progressivo.

“Há sempre um conjunto de orientações prévias para quem procura o Centro, além do seguro para quem queira fazer os percursos orientados. Além de legitimar a prática faz com que a pessoa tenha consciência plena dos riscos que corre mas também dos benefícios que traz”, explica Luís Dias.

Para a prática dos percursos orientados os interessados terão “de passar pela receção do Estádio Municipal, inscrever-se no Plano Nacional de Marcha e Corrida, uma das decorrências do protocolo formalizado no sábado, e evidenciar se tem algum problema de saúde, também por força do seguro desportivo associado”, sublinha. O custo é de 10 euros, o que “garante a participação no Programa em qualquer um dos centros do País”.

A Federação Portuguesa de Atletismo e a Câmara Municipal formalizaram então, no passado sábado, um protocolo de colaboração ao que se seguiu a realização de uma caminhada, numa parceria com o Grupo Desportivo Transplantados Portugal.

Segundo o vereador Luís Dias, a instalação do Centro Municipal de Marcha e Corrida em Abrantes “não teve custo monetário associado. É um investimento nas pessoas, o que justifica esta articulação com a Federação Portuguesa de Atletismo”.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome