Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | CCDR aprova projeto ‘Caminhos literários – Botto, Camões e Gil Vicente e outros que por cá passaram’

A CCDR Centro aprovou a candidatura ‘Caminhos Literários – Botto, Camões e Gil Vicente’ um projeto que pretende afirmar a construção de um território literário entre os municípios envolvidos e que substancia a definição de produtos turístico-culturais em que a literatura é alavancada para a descoberta de novas paisagens. A noticia foi avançada esta terça-feira, 6 de abril, em reunião de Câmara Municipal de Abrantes.

- Publicidade -

Em novembro de 2020 o vereador Luís Dias, responsável pelo pelouro da Cultura na Câmara de Abrantes, dava conta de serem apresentadas três candidaturas de âmbito cultural que Abrantes aguardava aprovação, num projeto de parceria com a Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo.

Avaliadas em 300 mil euros cada, no âmbito do programa cultural de intervenção no território ‘Cultura para Todos’ do fundo extraordinário ‘Programação Cultural em Rede’, dinamizado pela CCDR Centro, a programação é para 18 meses, com 30 ações no âmbito das três candidaturas, com perspetivas para iniciar em janeiro de 2021. Mas só agora a candidatura ‘Caminhos literários – Botto, Camões e Gil Vicente e outros que por cá passaram’ foi aprovada pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional Centro.

- Publicidade -

A CCDR do Centro lançou um concurso para apoiar projetos culturais em rede entre municípios, entidades intermunicipais, organismos da administração pública e associações culturais, apoios anunciados na primavera do ano passado pelo primeiro-ministro no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social.

“Trata-se de uma candidatura apresentada pelo Município de Abrantes na qualidade de promotor, líder neste processo, no âmbito de um projeto da CCDR ‘Programação Cultural em Rede’ e que teve como parceiro os municípios de Sardoal e Constância e pretende afirmar a construção de um território literário à volta destes três nomes mas também outros nomes da literatura que estiveram no nosso território”, explicou Luís Dias, durante a reunião de Câmara Municipal.

Segundo o vereador socialista prevê-se a realização do ‘Caminhos literários – Botto, Camões e Gil Vicente e outros que por cá passaram’ “no próximo ano pese embora poder haver uma programação para os próximos 18 meses na construção deste território literário com cerca de três dezenas de ações.

Envolve iniciativas como roteiros literários, percursos temáticos, residências sobre literatura, cinema, artes plásticas, fotografia, concertos, teatros, instalações, dança, poesia, videomapping, um congresso entre outras que envolvem projetos de intervenção junto da comunidade e em todos os lugares”, detalhou o responsável.

A programação será apresentada “oportunamente” aquando “da confirmação destes projetos” no âmbito do conselho municipal da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo e também no âmbito da estratégia do Turismo do Centro para o território.

OIÇA AQUI O VEREADOR LUIS DIAS

O investimento cifra-se nos 291.787,00 euros ou seja, “97% de investimento elegível face àquilo que os municípios apresentaram”, disse. Ou seja, “candidaturas até 300 mil euros financiadas a 100% no primeiro ano e a 95% nos seis meses subsequentes”, deu conta Luís Dias aquando da aprovação das candidaturas em reunião de executivo, em novembro último.

Trata-se de uma projeto complementar ao da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo  ‘Caminhos das Pessoas’ igualmente aprovado e consequente ao projeto ‘Caminhos’, e também ao projeto ‘Territórios pertinentes’ da Artemrede, um projeto de cooperação cultural, para os sete municípios seus associados na região de intervenção da CCDR Centro.

“De investimentos similares, cerca de 300 mil euros financiados quase a 100% e que permitirão a concretização de muitas outras ações de programação cultural em Abrantes e nas suas freguesias nos próximos 18 meses. Ficamos muito satisfeitos com isso”, concluiu.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome