Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Junho 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Canoísta Francisca Laia obtém 13ª melhor marca mundial em K1 200 (C/ÁUDIO)

A canoísta abrantina Francisca Laia, do Clube Desportivo ‘Os Patos’, foi hoje quarta classificada na final B da Taça do Mundo em canoagem, obtendo a 13.ª melhor marca no mundial disputado na Hungria em K1 200 metros, motivo de satisfação e orgulho para o clube que representa, Os Patos, de Rossio ao Sul do Tejo.

- Publicidade -

Na competição que se disputa em Szeged, na Hungria, e apesar da atleta não ter conseguido o apuramento para os Jogos Olímpicos de Tóquio, Helder Rodrigues, presidente do clube rossiense, destacou a excelente prestação de Francisca Laia, tendo em conta as condicionantes, e lembrou que a atleta é a mais jovem da comitiva portugueses numa competição que reúne os melhores do mundo, tendo um futuro auspicioso pela frente.

ÁUDIO: HELDER RODRIGUES, PRESIDENTE DE ‘OS PATOS’:

- Publicidade -

 

A atleta olímpica Francisca Laia regressou em abril a ‘Os Patos’, clube de Rossio ao Sul do Tejo onde começou a praticar canoagem em 2001 e que representou até fevereiro de 2016, quando assinou pelo Sporting Clube de Portugal.

Francisca Laia, de 26 anos, estreou-se nos palcos olímpicos há cinco anos, no Rio de Janeiro, onde competiu em K1 200 metros, e saiu em janeiro do Sporting, regressando agora à casa onde se formou. K1 é o nome dado às embarcações (caiaques) de um tripulante e 200 é a distância, em metros, a percorrer.

‘Kika’, como é conhecida a atleta olímpica formada no Clube Desportivo “Os Patos”, é detentora de 74 medalhas em eventos nacionais e internacionais, 51 das quais conquistadas ao serviço dos rossienses.

Francisca Laia disputou na Hungria o apuramento para os Jogos Olímpicos em k2. Foto: Os Patos

Bronze do canoísta Fernando Pimenta destaca-se na seleção de Portugal

A medalha de bronze do canoísta Fernando Pimenta em K1 1.000 destacou-se hoje na seleção de Portugal, com menos finais A do que o habitual na Taça do Mundo, na Hungria.

Além do 101.º pódio internacional de Pimenta entre Mundiais, Europeus e Taças do Mundo, realce para o sétimo lugar de Teresa Portela no também olímpico K1 200, bem como o sexto do K2 500 de João Ribeiro e Messias Baptista.

Na pista sete, e frente a boa parte dos rivais que vai ter em Tóquio2020, Pimenta dominou até meio da prova, que terminou em 3.38,94 minutos, a 1,1 segundos do jovem Jacob Schopf, que na sua estreia internacional em K1 coloca a Alemanha novamente entre os favoritos ao ouro olímpico nesta categoria.

O atleta de somente 21 anos bateu o checo Josef Dostal por 56 centésimos de segundo, enquanto Pimenta, campeão do mundo em 2018 e tricampeão da Europa, deixou o campeão do mundo em título, o húngaro Balint Kopasz, que competia em casa, no quarto lugar.

No domingo, o canoísta limiano é novamente um dos mais fortes candidatos ao pódio, em K1 5.000, prova que encerra a Taça do Mundo em Szeged.

Teresa Portela cumpriu os 200 metros em 42,05, a 95 centésimos de segundo da dinamarquesa Ema Jorgensen, que se superiorizou à polaca Marta Walczykiewicz por 63 centésimos e à britânica Doborah Kerr por 70. Francisca Laia foi quarta na final B, ou seja, 13.ª.

João Ribeiro e Messias Baptista conseguiram a final de K2 500, que terminaram na sexta posição, em 1.34,74, a 2,92 do ouro da dupla espanhola Marcus Walz/Rodrigo Germade, que tiveram a Bielorrússia e Ucrânia como companhia no pódio.

Mais tarde, no K4 500 que estará em Tóquio2020, com Emanuel Silva e David Varela, não alcançaram a única vaga direta para a final, disputando, por isso, a semifinal no domingo, na qual esperam atingir a regata das medalhas.

Na canoagem adaptada, Alex Santos garantiu a quota que Portugal tinha assegurado na categoria de KL1 para os Jogos Paralímpicos, juntando-se assim a Norberto Mourão, que o tinha conseguido em VL2 nos mundiais de 2019.

Em Szeged, Alex Santos e Floriano Jesus competiram lado a lado pelo prémio de representar o país e, desta vez, tocou a Santos, oitavo na final, chegar à frente do seu colega de seleção, em 54,89 segundos, menos 1,65 segundos do que Jesus, nono, e que no Mundial de 2019 tinha ficado a um lugar de garantir a quota.

Em KL2 200, o jovem Hugo Costa acabou em 14.º, pelo que a seleção de paracanoagem celebra a conquista da segunda vaga para Tóquio2020 e a medalha de prata de Norberto Mourão em VL2, no sábado.

Programa dos portugueses para domingo (horas de Lisboa):

Finais:

15:20 K1 5.000 Fernando Pimenta.

Finais B:

09:35 C2 500 Inês Penetra/Beatriz Lamas.

09:46 K1 500 Joana Vasconcelos.

09:59 C2 1.000 Marco Apura/Bruno Afonso.

Meias-finais:

08:45 K2 200 Teresa Portela/Joana Vasconcelos.

08:50 C2 200 Inês Penetra/Beatriz Lamas.

09:19 K4 500 Emanuel Silva/João Ribeiro/Messias Baptista/David Varela.

c/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome