Abrantes | Candidato do PSD leva tema da “insegurança” à Assembleia Municipal

Diversos elementos da equipa PSD candidata à Câmara de Abrantes usaram da palavra na Assembleia Municipal, entre eles António Castelbranco, que abordou a questão da "insegurança em Abrantes". Foto: mediotejo.net

O tema da insegurança e da criminalidade em Abrantes tem marcado a atualidade nos últimos dias na cidade, com assaltos quase que em dias consecutivos a estabelecimentos comerciais em pleno centro histórico. A questão seria levantada na Assembleia Municipal de Abrantes do passado dia 31 de novembro, logo no período de antes da ordem do dia, pelo munícipe António Castelbranco, que é mais do um simples cidadão. É o candidato anunciado pelo PSD à Câmara de Abrantes nas autárquicas de 2017 e faz da questão da segurança na cidade bandeira da sua candidatura. Questionada hoje sobre o assunto, a presidente da autarquia disse ao mediotejo.net que só falará “depois de reunir com o Comissário” da PSP de Abrantes, reunião que estará agendada para os próximos dias.

PUB

A “insegurança em Abrantes” foi o tema da sua intervenção, tendo Castelbranco afirmado ser “uma vergonha que os poderes públicos consintam que os abrantinos continuem a ser vítimas, anos a fio e cada vez com maior gravidade, de esquemas de extorsão, através de coacção e intimidação física”.

“De facto, ninguém consegue compreender a passividade com que a câmara assiste ao lavrar do incêndio pela cidade, sem um gesto público de indignação e sem ser m paz e em segurança capaz de liderar a comunidade abrantina que clama pelo direito de viver em paz”.

PUB

“Segurança não é ter de pagar a estes indivíduos que nos vêm extorquir dinheiro e vender a sua própria segurança para não partirem tudo. Segurança é esperar que as autoridades que são pagas com o dinheiro dos nossos impostos nos protejam e que possam efectivamente fazê-lo”, disse na Assembleia de quarta-feira António Castelbranco, tendo observado que as palavras proferidas haviam sido publicadas num jornal regional em outubro de 2010.

“E foram ditas pelo PSD e pelo CDS há – saliento – 6 anos atrás! Existiram algumas evoluções desde então, alguns dos marginais foram detidos nomeadamente aquele que assassinou o camionista nas bombas de Abrantes da A 23. O à vontade e impunidade dos criminosos em Abrantes é de tal forma que até tentaram roubar uma estátua de 2 toneladas de bronze, a do Dom Francisco de almeida, no jardim do castelo. Todavia, continuamos com os mesmos receios, a mesma insegurança e, no fundo com a mesma miséria”, afirmou.

PUB

“Nestes últimos meses, Abrantes sofreu um novo pico  de vandalismos e de assaltos o que provoca nos nossos cidadãos mais sobressaltos e  ainda mais insegurança, e o resultado disto é o afastamento de quem quer investir, de quem quer viver e,  de quem quer visitar Abrantes. Há 6 anos a Srª Presidente disse a propósito deste gravíssimo assunto – passo a citar: “que tudo não passa de alguma especulação que está a ser feita em torno de casos pontuais. Temos que manter algum distanciamento e contribuir para que o trabalho da PSP possa ser mais eficaz”.

Em reação a estas declarações  os vereadores do PSD, na altura exigiram que a Câmara de Abrantes tomasse medidas para que “a paz pública e a segurança retornem à cidade ao que Maria do Céu Albuquerque respondeu: gostava de desmistificar esta questão porque as questões de insegurança em Abrantes são idênticas ao que se passa em outros concelhos. São casos pontuais, perfeitamente identificados e os dados que temos não nos permitem dizer que temos insegurança em Abrantes”, resposta que Castelbranco disse que “não satisfez nem satisfaz os cidadãos de Abrantes”.

“Na altura, o sub-comissário do Comando Distrital da PSP, disse que em termos de ocorrências não se tinha registado nada de anormal, adiantou ainda que o procedimento criminal depende de queixa. Ora, como se sabe, os nossos cidadãos tinham e têm receio de apresentar queixa porque temem as retaliações a eles e aos familiares. Assim, no papel,   nas estatísticas,    nos relatórios  tudo parece estar bem e como dantes em Abrantes. Mas, infelizmente não é o caso”.

António Castelbranco concluiu, ao afirmar que, “assim, tal como há 6 anos, o PSD  volta a exigir que a Câmara de Abrantes tome medidas úteis, eficientes e capazes para devolver à nossa cidade e ao nosso concelho a paz e a segurança que são base de qualquer sociedade democrática”.

Entre o dia destas declarações e o dia de hoje, segunda-feira, 5 de dezembro, mais assaltos e ocorrências foram registadas no centro de Abrantes.

Questionada hoje sobre o assunto, a presidente da autarquia disse ao mediotejo.net que só falará “depois de reunir com o Comissário” da PSP de Abrantes, reunião que estará agendada para os próximos dias.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- Publicidade -

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here