Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sábado, Outubro 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Autarquia melhora acessibilidades para peões no centro histórico e no Aquapolis

No Aquapolis Sul, em Rossio ao Sul do Tejo, está a ser construída uma rampa de acesso ao novo quiosque ali instalado e na Rua Dr. Correia Semedo, no centro histórico de Abrantes, está a ser finalizado um muro de suporte e passeio.

- Publicidade -

A Câmara Municipal de Abrantes está a requalificar espaços públicos com a construção de rampas de acesso no sentido de “permitir melhores condições de acessibilidade a pessoas de mobilidade reduzida, bem como a construção de passeios que melhoram a circulação pedonal dos peões”, informa a autarquia em nota de imprensa.

O presidente da Câmara, Manuel Jorge Valamatos (PS), acompanhado pelo vice-presidente, João Gomes, e o vereador eleito pelo PSD, Rui Santos, deslocaram-se ao Aquapolis Sul, em Rossio ao Sul do Tejo, para acompanharem os trabalhos de construção de uma rampa de acesso ao novo quiosque, após a reunião de câmara da passada terça-feira, dia 6 de abril.

- Publicidade -

Trabalhos de construção de uma rampa de acesso ao novo quiosque no Aquapolis Sul. Créditos: CMA

Manuel Jorge Valamatos reconhece que “há ainda muito trabalho a fazer ao nível das acessibilidades para pessoas de mobilidade reduzida no centro histórico porque as cidades foram crescendo sem esta preocupação, mas todos os dias os nossos calceteiros fazem este trabalho de adaptação”.

Outro local onde estão a decorrer trabalhos de melhoramento de acessibilidades e circulação pedonal é na Rua Doutor Correia Semedo, em Abrantes (por detrás das bombas de combustível da Galp), com a execução de muro de suporte e construção de passeio que pretende trazer “maior segurança à circulação de peões”, acrescenta a mesma nota.

Rua Doutor Correia Semedo, em Abrantes. Créditos: CMA

 

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome