Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Quinta-feira, Outubro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Abrantes | Autarquia alarga a abril e maio isenção de fatura da água a empresas, IPSS e associações

No âmbito da pandemia covid-19, a Câmara Municipal de Abrantes volta a isentar o pagamento das tarifas da água, saneamento, resíduos sólidos e urbanos às empresas na área do comércio tradicional, restaurantes, cafés e similares e outras empresas encerradas, Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e associações juvenis, culturais, desportivas e sociais do concelho nos meses de abril e maio.

- Publicidade -

“Não fazemos essa isenção relativamente aos meses passados porque muitas das estruturas estão fechadas e por isso estendemos que esta é uma forma de estimular a dinâmica económica no nosso concelho isentando as taxas de água, saneamento e resíduos sólidos para os meses de abril e maio procurando incentivar a reabertura do comércio tradicional, dos nossos restaurantes, cafés e IPSS´s”, disse o presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos.

Para usufruir desta nova medida de apoio extraordinário, os empresários deverão requerer a isenção até dia 31 de março, através de preenchimento do requerimento próprio, que estará disponível em www.cm-abrantes.pt e em www.sma.cm-abrantes.pt que depois de preenchido, deverá ser enviado para o email geral@smabrantes.pt ou entregue presencialmente nos SMA ou no Serviço de Atendimento da Câmara Municipal.

- Publicidade -

Os empresários também poderão ter acesso ao formulário na aplicação Abrantes 360 ou abrantes360.cm-abrantes.pt. Para as IPSS´s e Associações o procedimento é automático.

Esta é mais uma medida de apoio extraordinário às empresas, IPSS´s e associações do Concelho de Abrantes que irá representar um investimento de mais de 50 mil euros que acresce aos mais de 1 milhão de euros de apoio, investido pela autarquia na implementação de medidas extraordinárias de apoio às famílias, às instituições e às empresas locais, desde o início da pandemia.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome