- Publicidade -

Abrantes | Autarca garante requalificação da escola de Alvega em obra de meio milhão de euros

No concelho de Abrantes todas as escolas vão manter-se no ativo. O parecer emitido pelo Conselho Municipal de Educação acerca do Movimento Anual da Rede Escolar para o ano letivo 2021/2022, foi aprovado por unanimidade na Câmara Municipal de Abrantes, no dia 23 de março, merecendo o reparo do vereador eleito pelo BE. Armindo Silveira considera que a Escola de Alvega não oferece “às crianças um espaço agradável, de qualidade, com oferta de serviços, equipamentos e materiais que claramente possam responder às suas necessidades” e lembrou que aquele estabelecimento de ensino tem o refeitório situado no segundo andar. Do lado do PS, Manuel Jorge Valamatos garantiu que a escola será requalificada e que o executivo tudo fará para não encerrar.

- Publicidade -

No pressuposto de garantir as melhores condições aos alunos de Abrantes, o Conselho Municipal de Educação (CME) deliberou a 09 de março não propor o encerramento de nenhum estabelecimento de ensino público do concelho, tendo em conta não só o número de alunos previsto para o próximo ano, mas também o facto de os mesmos “oferecerem às crianças um espaço agradável, de qualidade, com oferta de serviços, equipamentos e materiais que claramente possam responder às suas necessidades”.

No entanto, na última reunião de executivo, Armindo Silveira discordou deste ponto, notando que “na informação é referido que todos os estabelecimentos oferecem às suas crianças um espaço agradável, de qualidade com oferta de serviços, equipamentos e materiais que claramente respondem às necessidades”.

- Publicidade -

Disse ter informações para concluir que “a escola de Alvega não se enquadra nesta deliberação do CME pois como tem o refeitório no segundo andar, já houve crianças que caíram nas escadas. Também as salas do 1º andar carecem de melhores condições para receber as crianças do jardim de infância além de que as madeiras das janelas e paredes precisam de manutenção”.

OIÇA AQUI O VEREADOR DO BE

Perante estas declarações, o presidente da Câmara Municipal referiu que a autarquia vai continuar a apostar no investimento para harmonização e valorização do parque escolar do concelho. Manuel Jorge Valamatos recordou que a Câmara está a trabalhar no projeto para intervenção e reabilitação da escola de Alvega que será proposta a uma candidatura para financiamento no âmbito dos quadros comunitários de apoio.

“Será uma intervenção muito robusta e considerável para tornar a escola mais funcional, que deverá envolver meio milhão de euros”, salientou o presidente da Câmara.

OIÇA AQUI O PRESIDENTE DA CÂMARA

Ainda do lado do PS, a vereadora Celeste Simão, com o pelouro da Educação, considerou a intervenção de Armindo Silveira “fora do contexto”, referindo que a DGEST (Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares) pede o parecer do Conselho Municipal de Educação relativamente ao Movimento Anual da Rede Escolar, ou seja sobre a necessidade de “extinção de alguma escola, sobre a criação de uma escola nova, sobre a extinção de algum jardim de infância ou sobre a extinção de algum jardim de infância. Não havendo nada a dizer sobre isto é evidente que o órgão emite um parecer favorável”, explica.

Admitindo que o órgão “completa com o que acha ser pertinente”, disse ainda não ser a Câmara que escreve “os pontos todos do parecer mas sim o Conselho Municipal de Educação onde estão presentes representantes de todas as entidades e de todos os setores de ensino. A Câmara é um parceiro igual aos outros mas tem a presidência do órgão”.

OIÇA AQUI A VEREADORA DO PS

Rui Santos, por parte do Partido Social Democrata, reconheceu que a reabilitação da escola de Alvega já várias vezes foi tema em reuniões de executivo. “Penso até que por interpelação minha”, disse o vereador social democrata, lembrando que tal proposta “fazia parte do programa eleitoral do PSD em 2017”.

No parecer, o Conselho Municipal de Educação salienta ainda a importância da manutenção de todas as escolas do ensino básico e pré-escolar também como mais-valia para contrariar processos de desertificação das zonas rurais.

Manuel Jorge Valatamos sublinhou igualmente a reabilitação da Escola Básica e Secundária Octávio Duarte Ferreira, no Tramagal, considerando que Abrantes tem “um parque escolar contemporâneo”.

Recorda-se que aquando do orçamento municipal de Abrantes para 2018, a Câmara disponibilizou 75 mil euros para aquisição de serviços de projetos de arquitetura, com o objetivo de realizar o projeto para a Escola de Alvega naquele ano.

Explicava a então presidente da Câmara, Maria do Céu Antunes, relativamente à requalificação da Escola Básica de Alvega, que não tinha sido pedido financiamento através de uma candidatura ao Portugal 2020 porque “não houve condições para isso. A verba que ficou afeta para a Educação, para o País, que depois é dividida pelas regiões, na região Centro, depois na Comunidade Intermunicipal e finalmente para cada um dos municípios, não se compadece com o valor que faça face a esse investimento”.

Já a ex-presidente confirmava esta obra entre as prioridades mas “sem verba alocada na expectativa de quando houver reforço de verba podermos candidatar-nos” disse em novembro de 2017. No caso desse reforço de verba não se verificar “teremos de encontrar novas formas de financiamento”. Pode ler a noticia AQUI.

A Escola Básica de Alvega pertence ao Agrupamento de Escolas nº 1 de Abrantes.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- Publicidade -