Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Outubro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Assembleia Municipal aprova moções de PS e BE em defesa do Tejo

O Partido Socialista e o Bloco de Esquerda apresentaram duas moções em defesa do rio Tejo, esta sexta-feira 24 de novembro, durante a sessão da Assembleia Municipal (AM) de Abrantes. A moção do BE foi aprovado por maioria com abstenção de 15 deputados do PS, enquanto que a moção do PS foi aprovada por unanimidade dos presentes. Recorda-se que os eleitos do BE abandonaram a sessão em protesto contra a alteração de horário das sessões da AM.

- Publicidade -

Os pontos 12 e 13 da ordem de trabalhos da Assembleia Municipal de Abrantes integraram duas propostas de moção em defesa do rio Tejo. Uma proposta apresentada pelo Partido Socialista intitulada “Rio Tejo – Qualidade e Quantidade de Água” e outra pelo BE intitulada “Em Defesa de um Rio Tejo Vivo”.

“Ultimamente foram criadas grandes expetativas com iniciativas governamentais que indicavam fortes possibilidades de se iniciar um processo de revitalização ambiental” do rio Tejo, o PS destaca a título de exemplo, “a constituição de uma comissão de acompanhamento sobre Poluição no rio Tejo e a apresentação do plano de ação de fiscalização/inspeção a realizar na bacia do Tejo”, na verdade “os últimos acontecimentos revelam uma maior destruição do ecossistema do Tejo, com episódios mais frequentes de absoluta degradação, em que inclusivamente as questões de saúde pública começam a sentir-se mais evidentes”, lê-se na moção.

- Publicidade -

Assim, a bancada do Partido Socialista entende que “este é o momento de dizer basta, exigindo às entidades competentes ações determinadas e eficazes para pôr cobro à situação atual” e pretende que “sejam repostos e garantidos os parâmetros normais relativamente à quantidade e qualidade da água”.

Aprovada por unanimidade a moção foi enviada para o Presidente da República, o Primeiro Ministro, o Ministro do Ambiente, o Ministro da Saúde, o Presidente da Agência Portuguesa do Ambiente e o Presidente da Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território.

Por seu lado, o BE dá conta na sua moção de que “em dezembro de 2015, o atual governo, através do Ministério do Ambiente, identificou os efluentes da empresa Celtejo, em Vila Velha de Rodão, como um preocupante foco de poluição do rio Tejo”.

Acrescenta que “o problema era reconhecido pelo Relatório da Comissão de Acompanhamento sobre a Poluição do rio Tejo, sendo a sua resolução incluída entre as medidas prioritárias no Plano Gestão da Região Hidrográfica Oeste do Oeste e Tejo”.

Contudo, embora esteja identificada “a empresa poluidora – Celtejo – continuam a verificar-se descargas poluidoras no rio Tejo, hipotecando, a jusante, os investimentos amigos do ambiente”. O BE não tem dúvidas que “está em causa o Estado como agente protetor do ambiente e das populações”.

Por isso, o BE solicita que “sejam tomadas medidas urgentes para que a empresa Celtejo cumpra os limites de descarga em meio hídrico, respeitando os valores anteriores à nova licença de descarga emitida em 2016, que triplicou os valores num claro atentado ambiental”.

Também a proposta, após aprovação por maioria, foi enviada para o Presidente da República, o Primeiro Ministro, o Ministro do Ambiente, o Ministro da Saúde, o Presidente da Agência Portuguesa do Ambiente e o Presidente da CCDR Centro e Presidente da CCDR Alentejo.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome