Abrantes | Arrancou a nova fase rastreios covid-19 aos trabalhadores dos lares

Arrancou a segunda fase de realização de testes de diagnóstico ao vírus SARS-CoV-2 aos profissionais das respostas sociais de Estrutura Residencial do distrito de Santarém, prolongando-se até março de 2021. No concelho de Abrantes encontra-se um dos cinco centros de colheitas para análise laboratorial, onde decorre a testagem uma vez por semana.

PUB

A primeira testagem de trabalhadores dos lares no centro de testagem de Abrantes realizou-se no dia 13 de outubro, no Tecnopolo, em Alferrarede. Foram testados 109 trabalhadores, oriundos de lares dos concelhos de Abrantes, Tomar e Mação. Os testes foram realizados por elementos da Cruz Vermelha de Rio Maior.

A partir de agora, o centro de recolha estará localizado numa área de balneários da piscina ao ar livre, no Complexo Municipal de Piscinas de Abrantes e os testes passam a ser realizados por uma equipa da Cruz Vermelha – Núcleo de Abrantes/Tomar que fez formação especifica para o efeito e serão testados profissionais de respostas sociais de Estruturas Residenciais dos concelhos de Abrantes, Sardoal e Mação.

PUB

De acordo com o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, na segunda fase deste programa, estão a ser testados preventivamente os funcionários dos lares com 50 ou mais utentes. No concelho de Abrantes, para esta fase, e de acordo com o critério definido pela Segurança Social, estão identificadas três instituições. Cada estrutura residencial será objeto de testagem regular, sendo esta faseada por grupos de funcionários, o que, segundo as entidades responsáveis, permite sinalizar as situações de maior risco. Este critério poderá vir a ser alterado caso existam situações de surto na comunidade.

A Câmara Municipal de Abrantes voltou a disponibilizar-se para ser parceira ativa deste programa de intervenção preventiva do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, em parceria técnica com o Instituto de Medicina Molecular, da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. A autarquia disponibiliza instalações para realizações dos testes, sendo responsável pelo funcionamento do mesmo o coordenador do Serviço Municipal de Proteção Civil.

Segundo a vereadora Celeste Simão, no seguimento de uma solicitação dos serviços regionais da Segurança Social, os serviços da Divisão de Desenvolvimento Social elaboraram recentemente um levantamento sobre as necessidades de equipamento de proteção individual das Instituições Particulares de Solidariedade Social do Concelho. Esse levantamento foi remetido à Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, aguardando-se uma nova encomenda deste tipo de material.

Já o presidente da Câmara, Manuel Jorge Valamatos, diz ser uma ação  “crucial, pela saúde destes homens e mulheres e pela saúde de todos nós, colaborarmos com outras entidades para garantirmos a estes profissionais que se dedicam a esta população de risco, as merecidas condições de segurança”.

O presidente da Câmara assegura que a autarquia está, como sempre esteve, ao lado destas instituições: “Temos vindo sistematicamente a responder a diferentes solicitações, quer ao nível dos testes, quer ao nível das máscaras e ações de higienização”.

PUB
Paula Mourato
A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.
PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).