Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | Áreas de Regeneração Urbana avançam em Alferrarede e Rossio ao Sul do Tejo

“Está para muito breve” a regeneração urbana em Alferrarede e Rossio Ao Sul do Tejo. A autarquia de Abrantes pretende revitalizar estas áreas no intuito de estimular a instalação de dinâmicas empresariais e comerciais. O Município sublinha a “forte possibilidade” que a regeneração trará ao investimento privado, nomeadamente em poder devolver à comunidade edifícios como o cinema de Alferrarede.

- Publicidade -

“Há muitos anos que nós desejamos implementar a ARU – área de reabilitação urbana – para Alferrarede e para o Rossio, é essa a nossa intenção”, disse o presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos (PS), em declarações ao mediotejo.net, após ter avançado na reunião de Câmara de 27 de outubro com a informação de que este processo está “para sair”.

Com o intuito de revitalizar estas áreas, consideradas estratégicas pelo presidente, o processo de regeneração urbana permitirá, através da criação de um conjunto de incentivos, estimular a instalação de dinâmicas comerciais e empresariais em Alferrarede e em Rossio ao Sul do Tejo, através de operadores e da própria comunidade “quer no comércio, na indústria, na viabilização de edifícios”.

- Publicidade -

“Sem a construção da regeneração urbana para estes dois lugares, a motivação e o estímulo à conservação, à manutenção, à reabilitação é muito menor. Os incentivos fiscais para estas novas zonas de regeneração urbana são extremamente importantes para mobilizar a comunidade no voltar a ter aquilo que foi as dinâmicas em determinadas zonas, é esse o objetivo da regeneração urbana”, elucida Manuel Jorge Valamatos.

Largo do antigo cinema de Alferrarede, uma das zonas abrangidas nas áreas de regeneração urbana que o Município pretende criar. Foto: Ana Rita Cristóvão | mediotejo.net

Lembrando que estes são processos burocráticos e que levam o seu tempo, até porque não dependem exclusivamente da Câmara Municipal mas também de organismos estatais, sendo necessária uma “articulação forte e consistente entre diferentes organismos”.

Manuel Jorge Valamatos avança ao mediotejo.net que estará “para muito breve a formalização desta situação de regeneração urbana quer para Alferrarede quer para o Rossio”, até porque a próxima meta do Município é, depois de consolidados estes dois planos, avançar para outras zonas do concelho como Tramagal, Rio de Moinhos e Alvega.

 

Na zona de Alferrarede, especificamente, levanta-se a questão do antigo cinema. Na reunião de Câmara de 27 de outubro o vereador Rui Santos (PSD) questionou sobre o ponto de situação, referindo ser “bastante interessante a aquisição deste edifício para podermos dar outro ar àquela zona”.

Assunto também falado pelo vereador Armindo Silveira (BE) que referiu a necessidade de se tomar uma decisão rapidamente, tendo em conta o estado de degradação do edifício.

Antigo Cinema de Alferrarede. Foto: Ana Rita Cristóvão | mediotejo.net

A este respeito, o presidente do Município, Manuel Jorge Valamatos, referiu que era “bom que o conseguíssemos devolver à comunidade”, não escondendo a complexidade do processo.

“O cinema de Alferrarede é uma peça histórica e emblemática de uma dinâmica que houve em Alferrarede, a zona do largo do cinema foi algo muito vivido por muitas gerações (…). É um espaço que nós pretendemos adquirir, já fizemos variadíssimas ações tendo em vista a aquisição deste imóvel que é emblemático e estruturante (…) para a dinâmica que queremos voltar a imprimir dentro daquela zona”, admitiu ao mediotejo.net, sublinhando também que com o avançar da ARU “poderá haver investimentos privados também com tudo aquilo que a regeneração urbana permite de incentivo e de melhores condições do surgir do investimento privado”.

 

“O facto de termos a ARU também cria forte possibilidade aos privados de poderem investir e poderem reabilitar, e isso é um dado que fica do lado da própria comunidade”, concluiu.

Abrantina mas orgulhosa da sua costela maçaense, rumou a Lisboa com o objetivo de se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome