Abrantes | Antigo Mercado Diário vira “multiusos” mantendo “rosto e identidade”

Não há uma sem duas. A Câmara de Abrantes vai transformar o antigo mercado diário de Abrantes num pavilhão multiúsos, moderno e funcional, mantendo o rosto e a identidade do edifício. O anúncio foi feito pelo presidente da autarquia, Manuel Valamatos, no seguimento da divulgação pública do acordo para a aquisição pelo município do Teatro São Pedro. A declaração do autarca vem desfazer as dúvidas relativamente ao futuro daquele histórico edifício instalado numa das entradas nobres da cidade.

PUB

“Queremos um espaço capaz de acolher qualquer evento de grande dimensão, seja para concertos, conferências, e temos um exemplo bem recente que agudizou este sentido. Esta última Feira Nacional de Doçaria provou que Abrantes tem capacidade e competência para atrair muita gente. E queremos ter um multiusos que consiga acolher uma Feira Nacional de Doçaria com muita dignidade”, disse Manuel Valamatos (PS), quando questionado pelos jornalistas sobre se havia decisão política sobre o futuro do antigo mercado diário, depois de encerrado o capítulo negocial sobre o cineteatro São Pedro.

Utilização a dar ao antigo edifício do mercado municipal de Abrantes tem gerado troca de ideias e argumentos entre os eleitos. A autarquia anunciou agora que vai avançar para a reabilitação e transformação em espaço multiusos. Foto: mediotejo.net

“vamos resolvendo coisas para atingir um todo. Fechando as questões culturais, em termos de instalações, podemos pensar nesta altura na requalificação do antigo mercado diário” e fazer dele um “pavilhão multiusos”, afirmou, num investimento que rotulou de “fundamental”, tendo em conta que a autarquia anda muitas vezes literalmente “com a tenda às costas para desenvolver vários eventos, dando o exemplo da feira Nacional de Doçaria, que atrai muitos visitantes.

PUB

“Precisamos de um multiusos “à séria”, afirmou, tendo feito notar a necessidade de “racionalidade” entre a sustentabilidade económica e o espaço que a cidade necessita, ou seja, um espaço multiúsos que seja “prático e funcional” mas “sem investimentos megalómanos e desajustados com a realidade”.

Questionado sobre a manutenção da traça do histórico edifício, Manuel Valamatos assegurou que “nem se põe em causa. Essa é uma discussão que comigo não a vamos ter”, tendo destacado ainda a proximidade do recém criado parque de estacionamento no Vale da Fontinha para apoio aos visitantes e atividades que ali se venham a desenvolver.

PUB

O processo remonta a março de 2010, quando o antigo Mercado Municipal, datado de 1933, foi encerrado pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), tendo os comerciantes sido realojados “temporariamente” em diversos espaços da cidade.

Edifício do antigo mercado municipal de Abrantes. Foto: mediotejo.net

Em 2015, a Câmara de Abrantes inaugurou um novo mercado municipal, um edifício construído no centro histórico, a poucas dezenas de metros do antigo mercado, tendo a anterior presidente da autarquia, Maria do Céu Albuquerque, afirmado então à Lusa que pretendia “fazer recuar” o espaço do edifício do antigo Mercado Municipal – “um entrave à entrada na cidade e sem grande valor historial ou arquitetónico” -, para, no âmbito de um projeto de reabilitação urbana, “requalificar o Vale da Fontinha e dotar Abrantes de uma entrada mais digna”.

Na ocasião, o antigo Mercado Municipal de Abrantes foi convertido no espaço cultural ‘Mercado Criativo’, substituindo as bancas de peixe e hortícolas por ateliês de pintura, livrarias e artesanato, tendo encerrado essa função poucos anos depois.

Desde aí, o espaço tem sido ocupado com festas pontuais organizadas por associações de estudantes, feira de doçaria, entre outras, estando encerrado a maior parte do tempo.

O antigo mercado de Abrantes foi inaugurado a 1 de janeiro de 1933 e vai ser transformado em espaço multiusos. Foto: Paulo Seabra

Esta segunda-feira, Manuel Valamatos falou ainda numa politica cultural “mais dinâmica e robusta” para o concelho, apontando como exemplos o futuro Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes (MIAA) e o Museu de Arte Contemporânea (MAC), que deverão ser inaugurados em breve, a par dos investimentos efetuados no Museu Metalúrgica Duarte Ferreira (MDF), na Galeria de Arte Municipal, e nos investimentos a realizar para a requalificação das Igrejas de São João e São Vicente.

PUB

No âmbito do duplo anúncio da aquisição do Teatro São Pedro pelo município, e da requalificação do antigo mercado diário de Abrantes, o autarca deu ainda conta das diligências efetuadas para a possível aquisição e requalificação do cineteatro de Alferrarede, no âmbito na ARU preconizada para aquela localidade.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

1 COMENTÁRIO

  1. estou triste por não se manter o mercado um mercado onde foi muito varorizado tanto pelos clientes como para os comerciante não concordo com este mercado multiusos e porque não manter o mercado isso sim é que era correto é a minha opinião. Des de já quero agradecer ao senhor presidente da Câmara Municipal de abrantes pelo seu empenho desejo muitas felicidades

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here