Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Agosto 1, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | ‘Aldeia Natal’ solidária na Escola Básica António Torrado

Nesta quadra natalícia a Associação de Pais e a direção da Escola Básica António Torrado, em Abrantes, deram vida a uma ‘Aldeia Natal’ à qual associaram, durante dois dias, uma Feira Solidária. Da imaginação de pais, professores e alunos a comunidade foi convidada ao convívio numa Festa de Natal “diferente” da habitual reunião no final do primeiro período do ano letivo.

- Publicidade -

O gosto pela fantasia e pela criação de um mundo imaginário de Natal pairava na cabeça de Rita Rosa, presidente da Associação de Pais da Escola Básica António Torrado. A inspiração chegou-lhe de Óbidos, ainda que numa escala mais pequena, e daí até colocar mãos à obra, após lançar o desafio aos restantes pais e à educadora Saudade Simões, coordenadora da Escola, foi um pequeno passo.

Da colaboração e interajuda da comunidade educativa, daquela escola de Abrantes, nasceu a ‘Aldeia Natal’, que é muito mais do que enfeitar com temas e motivos natalícios o amplo espaço do estabelecimento de ensino, representa uma ação de solidariedade para com o Centro de Acolhimento Temporário de Abrantes, da responsabilidade do cónego José da Graça, graças à Feira Solidária que decorreu nos dias 1 e 8 de dezembro.

- Publicidade -

A ideia da ‘Aldeia Natal’ resolveu ainda outra questão: a Festa de Natal anual. “É uma escola com muitos alunos e o espaço que temos não nos permite juntar as famílias todas na Festa de Natal. Tivemos anos em que a festa decorreu no Cineteatro São Pedro, mas levantou-se o problema da lotação do espaço, porque a lei indica que só podem estar as pessoas dos lugares sentados. Na época tínhamos mais de 200 crianças e só podiam levar um elemento da família”, explicou a coordenadora Saudade Simões.

‘Aldeia Natal’ na Escola António Torrado, Abrantes. Feira solidária.

Atualmente a Escola Básica António Torrado, do Agrupamento de Escolas nº2 de Abrantes, conta com 162 alunos “mas mesmo assim, no espaço que temos, o pavilhão polivalente, não conseguimos juntar as famílias”, reforçou a educadora.

A solução tem passado, nas passadas quadras festivas natalícias, por audições das turmas de alunos de cada ano, separadamente, por dias, na última semana escolar do primeiro período, tal como acontece também em 2018. “Não estamos todos juntos mas as famílias dos respetivos anos convivem e apercebem-se do trabalho que é feito” pelas crianças, notou.

Neste Natal, a divisão de tarefas e a dinâmica para a quadra começou mais cedo, envolvendo os pais dos alunos através da Associação de Pais e as próprias crianças a quem foi pedido que trouxessem os materiais para a construção da ‘Aldeia Natal’, aberta não só à comunidade escolar mas a todos.

“O intuito foi trazer os pais para o espaço exterior da Escola, que é muito amplo, e reunir alunos e famílias”, explicou Rita Rosa dando conta do seu gosto por esta época natalícia e da iniciativa de construir algo “diferente”.

‘Aldeia Natal’ na Escola António Torrado, Abrantes. Feira solidária. A coordenado da Escola, Saudade Simões (à direita) e a presidente da Associação de Pais Rita Rosa (à esquerda)

Este tipo de iniciativa “requer muito tempo. de quem pertence à Associação e de outros pais que quiseram ajudar na recolha dos materiais” refere Saudade Simões. Para colocar de pé a ‘Aldeia Natal’, pensada no mês de outubro, foram duas semanas de preparação e um dia ultrapassando mesmo a madrugada para a instalação.

O envolvimento dos alunos, “era importante até para sentirem a pertença do espaço, que é deles. Foi através da Floresta com as árvores de Natal, em que cada duas turmas elaboraram e enfeitaram as árvores” referiu a coordenadora falando também na participação, nomeadamente na Feira Solidária, com o objetivo de chamar a atenção das crianças para a solidariedade, e ao mesmo tempo, educar para a cidadania.

“Foi muito giro! As crianças sentiram que estavam a dar um espaço que era seu para que as pessoas vivessem o Natal. Um envolvimento muito importante para o desenvolvimento social” dos meninos e das meninas, considerou.

Quanto aos materiais “cada um foi trazendo o que tinha em casa, conforme os pedidos. Uma escada, uma bicicleta, garrafas, bonecos, madeiras” e tudo o que compôs a ‘Aldeia de Natal”, disse Rita. “O dinheiro que gastámos foi só na aquisição de platex para a construção do trenó, feito pela Associação de Pais, de resto foi tudo reciclado”, referiu.

Rita Rosa lembrou que a Junta de Freguesia da União de Freguesias de Abrantes e Alferrarede ofereceu ”tintas, luzes para o exterior e quatro árvores de Natal para a Floresta” enfeitada por alunos e professores. A responsável estendeu os agradecimentos à Câmara Municipal no sentido de permitir a abertura da Escola durante os dias 1 e 8.

No dia da abertura a ‘Aldeia Natal’ contou com a presença do vereador Luís Dias e com o diretor do Agrupamento de Escolas nº 2 de Abrantes, Alcino Hermínio.

‘Aldeia Natal’, iniciativa de solidariedade da Escola António Torrado, Abrantes. A inauguração contou com a presença do vereador da Câmara Municipal, Luís Dias e do diretor do Agrupamento de Escolas nº2 de Abrantes, Alcino Hermínio

Durante dois dias decorreu então uma Feira Solidária, com a venda de roupa, sapatos, brinquedos, livros, bolos, licores e diversos petiscos. Na Casa do Pai Natal o próprio do São Nicolau, a Hora do Conto, um atelier de pequenos cientistas e outro de expressão plástica onde as crianças puderam escrever a carta ao Pai Natal e colocar logo no marco do correio (desse gesto receberão mais tarde um pequeno mimo).

No espaço exterior aula de zumba natalício e ao longo do dia as crianças puderam saltar no insuflável e trampolim gigante, jogar jogos tradicionais e brincar com pinturas faciais.

A comunidade escolar respondeu com entusiasmo, encarregados de educação, pais, avós e outros familiares bem como a comunidade abrangente da Escola animaram a António Torrado durante os dois dias de Feira Solidária.

A Feira também resultou do lado solidário dos pais que entregaram na Escola “os materiais para venda. Depois a Associação de Pais ofereceu bolos, salgados, café, chá e esse dinheiro será também para suportar as despesas inerentes” ao aluguer do trampolim e do insuflável.

Por toda a Escola é possível ver a Casa do Pai Natal, a Floresta, a Fábrica dos Brinquedos, as Árvores dos Alunos, o Comboio de Natal, o Natal dos Gnomos, o Natal dos Animais e como não podia deixar de ser, o Presépio.

A ‘Aldeia Natal’ mantém-se na Escola até ao Dia de Reis, apesar das férias escolares uma vez que as Atividades de Tempos Livres receberão os alunos que precisem daquele apoio durante o período das Festas.

 

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome

- Publicidade -